quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Tomando meu remédio 7 - Os mendigos e seus cães




Já ouvi dizer que os cães se apegam aos seus donos, e os gatos se apegam às suas casas.  Deve ser por isso que existe o ditado: “o cachorro é o melhor amigo do homem”. Se verdade ou não, nunca vi gatos nas cabanas que os moradores de rua armam nas calcadas das cidades, mas já vi muitos cães que os acompanham. E por causa deles enfrentam situações complicadas.

Tive um vizinho, morador de rua, que armou sua barraca de lona em um lote vago ao lado de minha moradia. E por várias madrugadas pudemos ouvir seus gritos chamando por seu cachorro:

__ Totó! Ô Totó! Vem cá.

Fato que muito me surpreendeu foi o que ocorreu em um fim de tarde, quando ouvi conversas estressadas vindas do tal lote. Ao chegar à janela vi uma cena interessante. Umas dez pessoas entre homens e mulheres, todos jovens, gritando com o morador do barraco, palavras acusatórias de que ele estava maltratando o cachorro. Que se ele não parasse de bater no cãozinho, iam denunciá-lo por maus-tratos.  Quanto mais o rapaz tentava explicar que não batia no cachorro mais os jovens se alteravam.

Fiquei parada, olhando a cena, quando três dos homens pularam em cima do rapaz, dando-lhes socos e um empurrão no peito, jogando-o com as costas no chão. Preparei-me para chamar a  polícia. Vendo que ficaram  calmos, desisti.


Veja só o contrassenso! Suponhamos que o cara tenha batido no cachorro. Mas isso justifica três homens bater nesse cara? Não estaria a preocupação exagerada com os direitos e proteção do animal, fazendo-os desrespeitar os direitos do ser humano?

Nenhum comentário:

Postar um comentário