sábado, 30 de agosto de 2014

Tomando meu remédio 9 - Quando as palavras não significam o que representam



        Na minha caminhada diária, que aconselhada pela endocrinologista, chamo de “meu remédio”, estava eu no calçadão da Avenida Afonso Pena. Quando de repente uma moradora de rua veio em minha direção e disse:
- Bom dia!
- Bom dia! -Parei e respondi.
Ao que a moça, estendendo seu braço direito num gesto de me empurrar para o lado, só não o fez porque saí do seu caminho, disse:
- Não é com ocê.- E passou por mim apressadamente.
Olhei para trás e ela estava pedindo dinheiro a uma senhora, logo atrás de mim, arrumada e com sua bolsa tiracolo.  Também, pudera, eu estava com roupa de caminhar, com apenas uma chave na mão.

Fiquei toda sem graça e continuei meu caminho, pensando no significado das palavras e frases. Nem sempre a frase “bom dia” representa o desejo do outro que seu dia seja bom. Em algumas lojas, por exemplo, quando pomos os pés na porta, um vendedor ou vendedora nos diz em voz alta: “bom dia”. Mas esse “bom dia” serve apenas  para marcar sua vez no atendimento aos clientes, que é feito por rodizio entre os vendedores.


Durante a caminhada no Parque Municipal vejo alguns  caminhantes desejarem “bom dia”. 

Agora me pego olhando para trás antes de responder, para me certificar se o “bom dia” é mesmo dirigido a mim. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário