quarta-feira, 30 de junho de 2010

SEC- Seminário de Educação Cristã



• Bacharel em Educação Religiosa
• Habilitação em Didática e Administração

• Habilitação em Ministério Social Cristão

• Habilitação em Missiologia

• Mestrado em Educação Religiosa

• Ministério Social Cristão

• Missiologia

• Especialização em Missiologia


Cursos Médios:
• Liderança em Educação Cristã

• Formação Missionária

• Liderança Musical e Artística na Igreja

• Disciplinas isoladas de Música


Prática do Ministério Social

• Casa da Amizade


Outros:

• Radical Brasil-nordeste

• Curso de Professores para EBD


Seminário de Educação Cristã

Rua Padre Inglês, 143 - Boa Vista

50050-230 - Recife - PE

ou Caixa Postal 29

50010-970 Recife - PE

Fones: (81)3423-3396 e 3423-3591

Fax: (81) 3222-5090


Site: www.sec.org.br







Pastor, Pastora, Educador, Educadora


Texto extraido da revista Minas um Desafio página 7- Missões Estaduais 2010, escrito por:
Pr Tarcísio Caixeta de Araújo Prof. da Fac. Batista de Minas Gerais Membro da IB Entre Rios de Minas/MG com o título:

"A VOCAÇÃO MISSIONÁRIA NO CONTEXTO TEOLÓGICO"



A palavra vocação é pouco usada na Bíblia. Aparece umas poucas vezes no NT, especialmente nas cartas paulinas, com o sentido de chamado, vocação, convite. Segundo Moulton (1982, p.211), este termo está ligado ao chamamento divino para os privilégios do Evangelho. Não resta dúvida de que este vocábulo é usado para se referir a todos os servos e servas do Senhor. Todos são vocacionados, isto é, são chamados para pertencerem a Ele.



Essa desconfiança de que todos, indiscriminadamente, são chamados por Deus tomou conta do coração de líderes importantes no AT: Coré, os dois irmãos Datã, Abirão e mais 250 homens de posição entre os israelitas. Eles afirmaram: "toda a congregação é santa, todos são santos." (Nm 16:3). Na verdade, eles estavam certos na interpretação de que todo o Israel era santo, separado para servir o Senhor (ver Dt 4:37; 7:6; 10:15; 14:2; Is 44:1). No entanto, estavam equivocados sobre a santificação ou separação especial para ministérios específicos. Recém libertos da escravidão egípcia, não conheciam os graus de santidade: sumo sacerdote, sacerdote, levita, nazireu (nazireia), pessoa comum. Profeta (profetisa), rei (rainha) também se encaixam nos graus de santidade conforme o AT. Desconheciam também textos tais como Deuteronâmio 18:1,5; 21:5; I Samue12:27,28 e I Samue116:10-13, quanto ao ministério especial de sacerdote e a função de rei (ver SI 78:70).



Profetas e profetisas também eram chamados por Deus para urna missão especial (11 Rs 22:14-16; Is 6:8; Jn 1:1,2;Zc 1:1-3).



Na Bíblia há ministérios específicos, especiais. Todos os crentes são chaamados, vocacionados para as bênçãos divinas. Dentre os vocacionados Deus escolhe alguns para missões especiais. Missionários e missionárias fazem parte desse time cujo técnico é o próprio Deus e o patrocinador é a igreja. A recompensa está em cada vida salva e transformada pelo poder do Senhor através da mensagem poderosa da parte de Deus.



Moisés deixara claro que os rebelados de Números 16 eram de fato separados para se chegarem a Deus e administrar o tabernáculo do Senhor. Eram ministros da congregação israelita (Nm 16:9). No entanto, os rebeldes queriam ocupar a posição de Moisés e Arão, isto é, o sacerdócio (Nm 16:10). O texto de Números 16 é um dos poucos da Bíblia a discutir a questão vocacional.



No AT a palavra vocação não aparece. Contudo, temos os verbos escolher, chamar, convocar, eleger e seus desdobramentos. Segundo o Aurélio, vocação se entende como: ato de chamar; escolha, chamamento; tendência, disposição; talento, aptidão. O sentido que nos interessa neste breve artigo é o de chamar. Examinamos textos onde Deus chama pessoas para servi-lo em missões especiais, deixando claro que todos os servos de Deus são chamados para serem bênçãos. A vocação missionária está intimamente relacionada ao contexto teológico: é Deus quem vocaciona e é Ele também quem dirige e sustenta os vocacionados.









terça-feira, 29 de junho de 2010

Dilma se diz favorável à união civil de homossexuais

(Materia extraida do endereço: http://br.noticias.yahoo.com/s/28062010/25/politica-dilma-se-diz-favoravel-uniao.html

A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, disse hoje que é favorável à união civil de pessoas do mesmo sexo e que é contra alterações na atual legislação que regula o aborto. "Sou a favor da união civil. Acho que a questão do casamento é religiosa. Eu, como indivíduo, jamais me posicionaria sobre o que uma religião deve ou não fazer. Temos que respeitar", afirmou, durante sua participação no programa "Roda Viva", transmitido pela internet e que será exibido às 22h desta segunda-feira pela TV Cultura. "Direitos civis básicos, direito à herança e a receber a aposentadoria do parceiro, são direitos civis e devem ser reconhecidos de forma civil."

Em relação ao aborto, a ex-ministra-chefe da Casa Civil defendeu que mulheres que se enquadram nos casos previstos em lei - estupro e risco de morte para a mãe - devem ter o direito de ser atendidas pelo serviço público. "Sempre digo uma coisa: não acredito que tenha uma mulher que seja a favor do aborto. Não acho que as mulheres fazem aborto porque são favoráveis ao aborto. É uma coisa esquisitíssima, absurda supor que uma mulher seja a favor do aborto", disse.

"Temos uma legislação no Brasil sobre essa questão e sou a favor de mantê-la. O que acho é que mulheres enquadradas naquela situação têm direito de fazer na rede pública, e se tem de tornar isso acessível. Senão fica a seguinte situação: mulheres ricas têm acesso a clínicas, mulheres pobres usam a agulha de tricô."

Dilma deixou a TV Cultura assim que encerrou sua participação no programa "Roda Viva". Segundo sua assessoria de imprensa, ela tinha outros compromissos a cumprir em São Paulo. Um jantar com a jornalista Joyce Pascowitch não foi confirmado por sua equipe.



Minas é um desafio


De acordo com informações dadas  pelo Diretor Executivo da Convenção Batista Mineira(CBM) Pr. José Renê Toledo, na página 2 da revista "Minas um Desafio",  existem 370 cidades mineiras sem sequer uma frente missionária dos batistas.
Minas é um Estado maior que muitos países... Muitos batistas de outros Estados Brasileiros contribuiram no passado e  contibuem hoje para a expansão do evangelho em Minas. Mas, entre outras cidades menores, ainda existem 68 cidades mineiras com mais de 10 mil habitantes sem trabalho batista. Realmente Minas é um desafio.

Outras informações no site:

http://www.batistas-mg.org.br/

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Copa do mundo 2010- Eslováquia, Itália, Paraguai, Nova Zelândia

Eslováquia 3
Itália 1

Paraguai- 0
Nova Zelândia- 0

 

Dinamarca x Japão 15h30min
Camarão x Holanda 15h30min

Dinamarca 1
Japão 3

Camarão 1
Holanda 2

quarta-feira, 23 de junho de 2010

23 de junho, dia de Educação Cristã Missionária

Para ler a mensagem do cartão clique sobre a imagem

A Convenção Batista Mineira através do Comitê do Crescimento Cristão criou um folder para divulgação da Educação Cristã Batista Mineira e valorização do Educador Cristão como um ministro auxiliar do Pastor no ministério educacional das igrejas.
Quem é o Educador Cristão?
De acordo com as "Atribuições do Educador Religioso", produzido pela AERBB, (Associação dos Educadores Religiosos Batistas do Brasil) o Educador Cristão é uma pessoa vocacionada por Deus e confirmada pela igreja para atuar especialmente no ministério, na área de Educação Religiosa, preferencialmente com formação em Educação Religiosa e/ou Teologia com habilitação em Educação Religiosa".
Qualificações pessoais do Educador Cristão
__Ter vocação
__Ter personalidade firme
__Ser digno de confiança
__Ter otimismo e entusiasmo
__Gostar de gente.
 Responsabilidades do Educador Cristão para consigo mesmo
__Desenvolver um profundo relacionamento com Deus
__Cultivar o bom relacionamento familiar
__Manter uma autoimagem positiva
__Manter um bom relacionamento entre liderados, pastor e demais líderes
__Definir sua filosofia de educação
__Manter-se constantemente atualizado frente às tendências educacionais
__Definir suas bases Teológicas.
Atribuições gerais do Educador Cristão
__Ser responsável diante da igreja e do pastor pela área de educação cristã, orientando no planejamento, realização e avaliação de um programa compreensivo de educação;
__Contribuir, atuando, para alcançar os objetivos da igreja;
__Servir como coordenador da estrutura educacional da igreja para que haja coesão no planejamento e execução, buscando unidade para evitar conflitos e duplicação de esforços;
__Criar entre os membros da igreja uma consciência de importância dos diferentes ministérios, levando-os a um envolvimento pessoal e responsável;
__Planejar e realizar projetos de capacitação dos membros da igreja;
__Trabalhar , com o pastor e outros líderes da igreja, no sentido de descobrir potencial de liderança;
__Participar do planejamento geral da igreja.
Atribuições específicas do Educador Cristão
__Fazer sondagem de necessidades da igreja para fins educacionais;
__Registrar e manter organizada toda a documentação concernente a área de Educação Cristã;
__Analisar, avaliar e recomendar a aquisição de equipamento e material pedagógico;
__Responsabilizar-se pela pesquisa e seleção do currículo de ensino;
__Supervisionar de forma geral a atuação dos professores e líderes da área de Educação Cristã;
__Promover a formação de professores através de um programa sistemático de aperfeiçoamento;

__Promover encontros periódicos individual e/ou coletivos com seus liderados para avaliação e/ou redirecionamento do trabalho;
__Contemplar no programa de Educação Cristã as ênfases dos planos de integração e expansão da Igreja;
__Avaliar periodicamente a coerência entre prática educacional e filosofia adotada;
__trabalhar em equipe nas diversas etapas de sua atuação como Educador Cristão.
Responsabilidade da Igreja para como o Educador Cristão
__Dar estrutura ao Educador Cristão para realizar seu trabalho;
__Caso a Igreja possa ter esse profissional: providenciar concílio se o Educador não é ministro de Educação cristã.
__Destinar remuneração ou gratificação financeira para o Educador Cristão.



"Através do trabalho de Educação Cristã estruturado, a Igreja de Cristo é capaz
 de ampliar a sua atuação neste mundo"



Veja também o cartão em homenagem aos educadores  do dia 19 de junho de 2009, sexta-feira.
Outras matérias crrelatas você encontra nos marcadores:
Educação Religiosa e Educação Cristã


Copa do mundo 2010










quinta-feira, 17 de junho de 2010

quarta-feira, 16 de junho de 2010

terça-feira, 15 de junho de 2010

Os que não podem assistir aos jogos da copa

Nova Zelândia (1)
Eslováquia (1)

Costa do Marfim (0)
Portugal (0)
Brasil (2)
Coreia do Norte (1)

Milícias prendem e torturam torcedores que veem a Copa pela TV na Somália

'Estávamos olhando o jogo Alemanha-Austrália quando os milicianos colocaram a porta abaixo, abriram fogo e nos bateram até que alguns de nós perdêssemos os sentidos e depois nos prenderam', disse Abdi Yare, que foi libertado esta manhã.


No sábado, os insurgentes mataram a tiros dois jovens que viam a partida Argentina-Nigéria e prenderam outros dez, que foram libertados após pagar uma "multa" de US$ 50 cada um.


Estes grupos extremistas proibiram todo tipo de entretenimento, incluindo a música, o cinema e o futebol, nas áreas sob seu comando, usando como exemplo os Talibã que governaram o Afeganistão até 2001, quando foram depostos por forças internacionais.


Os torcedores somalis que se negam a perder os jogos da primeira Copa do Mundo africana veem as partidas às escondidas nas áreas controladas pelas tropas governamentais, sem garantias, no entanto, de que não serão atacados pelos extremistas.

Toda a matéria em:
http://g.br.esportes.yahoo.com/futebol/copa/noticias/mil-iacute-cias-prendem-e-torturam-torcedores-que-veem-a--fbintl_efe-br-0945a2af6d4c1f2fac22e90fd3d63e60.html

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Dia do Pastor/dia da Pastora

LIDERANÇA PASTORAL


A mulher pastora
Marli de Melo Bondioli
Publicado em 08.03.2010


"Vós, mulheres, sujeitai-vos a vossos maridos, como ao SENHOR."
(Efésios 5: 22)


 Existe um padrão consistente de liderança masculino por toda a história da bíblia. O próprio Jesus ordenou homens para prosseguir sua missão.Louvo a Deus por cada homem pastor, porém é comum observar alguém do para a mulher pastora com o pensamento dominante que este ofício não foi feito para ela e provavelmente sua atuação não é bíblica. Mas não podemos desconsiderar a presença de mulheres atuante no ministério no antigo e no novo testamento. Compreendo que a subordinação da mulher tem base na criação descrito nos capítulos 1 e 2 de Gênesis e não na queda narrada no capítulo 3. Sou convicta que a cruz de Cristo aboliu todas as diferenças que existiam para que homens e mulheres udessem aproximar-se de Deus. Esta igualdade não altera as atribuições voluntárias do homem e da mulher.

Sem entrar em conceitos teológicos quero testemunhar minha experiência de mulher pastora. Há 13 anos fui convidada através do meu pastor a cuidar de um "ponto de pregação caseiro" na zona sul da cidade de Londrina. Aceitei o convite considerando a importância e a necessidade, sem ter, no entanto, a consciência e conhecimento do terreno que iria pisar, tão
pouco do que me aguardava. Tudo o que eu sabia era que meu coração estava em flama por Cristo, transbordante em amor para pregar a sua Palavra, servir com excelência crendo que "todas as coisas cooperam para bem daqueles que O teme".

A eterna fidelidade divina operou e vidas oprimidas e sedentas foram alcançadas através do evangelho que prontamente submetiam-se a Jesus como salvador. Alguns meses depois nasceu uma igreja acolhedora, responsável e presente na comunidade. Salvação, curas, transformações de família acontecem diariamente. Os resultados são extraordinários! Deus tem operado maravilhas não deixando nenhuma dúvida sobre a autoridade que Ele mesmo delega à mulher cristã que reconhece e obedece ao chamado divino. Acredito que o maior testemunho que a mulher pastora pode dar para a família, igreja e sociedade é sua genuína intimidade com Deus expressa na comunhão pura, respeitosa e feliz com a família e em especial com o seu cônjuge seja ele, membro ou pastor que está submetido à sua liderança na igreja.



O apóstolo Paulo escreve para que as mulheres vivam em sujeição ao marido como ao Senhor. Entendo perfeitamente que esta palavra está conceituada na esfera do relacionamento conjugal, mas creio também, que tal atitude reflete em todas as áreas de relacionamentos e em qualquer circunstância de nossa caminhada. Nenhum ofício ou posição que a mulher ocupe ficará acima dos princípios estabelecidos na Palavra de Deus. Foi Ele mesmo que inspirou Paulo a continuar seu raciocínio desprovido de qualquer objeção à mulher quando diz: "Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela," (Efésios 5:25).

Sou casada há 25 anos com um pastor, temos dois filhos e vivemos em harmonia. Na esfera familiar meu marido é o nosso "senhor" e nós seguimos espontaneamente sua orientação. Na Igreja, Jesus é a cabeça, e é este o fundamento de minha liderança pastoral, ou seja, a base é a obediência e submissão na perspectiva da missão integral (alcançar vidas com o evangelho transformador, compartilhar o amor e justiça eterna, servindo a comunidade no âmbito social).



Meu marido é meu co-pastor. Obviamente em nosso histórico esta posição permite que algumas pessoas interpretem de forma errada nosso relacionamento concluindo que prevaleço na área que é de permanente autoridade dele, no entanto nada disso acontece, pois nos completamos em cada situação servindo com zelo santo todos os trabalhos que efetuamos no cumprimento da nossa missão. Temos uma visão clara de nossas atuações

seja em família, na igreja ou diante da sociedade. O preconceito é um fato. Tanto na esfera denominacional quanto no mundo. Aprendi a lidar dedicando todo o tempo às boas obras. Semelhantemente à Neemias tenho uma grande obra para realizar e não posso parar.
Sigo a ordem de Jesus: "Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo" (Marcos 16:15-16ª).



Reprodução autorizada desde que mantida a integridade dos textos, mencionado o autor e a fonte como: http://www.institutojetro.com/ e comunicada sua utilização através do e-mail artigos@institutojetro.com

Copa do Mundo

Holanda (2) x (0) Dinamarca
Japão (1) x (0) Camarões




Itália (1) x (1) Paraguai

domingo, 13 de junho de 2010

sábado, 12 de junho de 2010

12 de junho


Argentina (1)  x (0) Nigéria
Coreia do Sul (2) x (0) Grécia



Inglaterra (1 ) x (1 ) Estados Unidos











quinta-feira, 10 de junho de 2010

CONVENÇÃO BATISTA MINEIRA E SUAS ASSOCIAÇÕES


A Convenção Batista Mineira é a união de todas as igrejas batistas de todas as Associações do Estado. Cada igreja procura adorar a Deus, anunciar a Salvação em Jesus, ensinar a Bíblia às pessoas, viver em comunhão, orando uns pelos outros e servindo a Deus e as pessoas naquilo que for preciso. Com essas atitudes cumprem aquilo que o educador e pastor Lourenço Stelio chama de missão tridimensional da igreja: direcionada para Deus através da adoração, direcionada para o mundo, através do evangelismo e missões e para si mesma, através da comunhão, do ensino e do serviço cristão.

A cada dois anos, as igrejas do Estado se reúnem em um evento que se chama Assembleia Convencional, onde os vários grupos (mulheres, homens, jovens, adolescentes e crianças) se encontram e seus representantes falam sobre o que foi feito, e planejam o que farão nos próximos dois anos. A próxima Assembleia será na cidade de Betim, pertinho de Belo Horizonte, em julho de 2010. Além disso, a Convenção, através do Comitê de Programa para Evangelismo e Missões, promove o levantamento da oferta especial, que é usada para o sustento e expansão da obra missionária no Estado de Minas Gerais.

O QUE SÃO AS ASSOCIAÇÕES BATISTAS MINEIRAS?


As Associações da Convenção Batista Mineira, como também de outros estados do Brasil, são a união das igrejas batistas de uma determinada região do Estado, para, em cooperação, adorar a Deus, anunciar a salvação em Jesus Cristo, ensinar a Bíblia, que é a Palavra de Deus, para que muitos conheçam e sejam transformados pelo seu verdadeiro amor e vivam em comunhão e serviço cristão.

Ao todo são 18 Associações de igrejas que além do envolvimento em Missões Locais, anunciando a salvação por Jesus Cristo às pessoas de sua comunidade, se unem num esforço conjunto para a manutenção de missionários em pontos estratégicos do Estado o que chamamos de Missões Estaduais.

"Há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo..." I Timóteo 2.5 (Bíblia)

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Batistas: Um Povo Associativo e Cooperativo

clique sobre a imagem e verá o efeito giff

O que leva uma igreja batista a se integrar a uma associação (nível local), e a uma convenção (nível estadual e nacional)? Esta questão tornar-se mais relevante se considerarmos que o tempo em que vivemos revela a força do individualismo e da segregação. O homem contemporâneo está envolto pelo “si mesmo” e tem dificuldades de integrar-se. Ele anseia pela liberdade e têm dificuldade de criar vínculos, especialmente os institucionais. Portanto, o que leva um grupo de irmãos, ao organizarem-se como igreja, decidir pela filiação a convenção?

Se considerarmos um princípio fundamental dos batistas, que é o da autonomia das igrejas, essa questão requer que nela pensemos.

Duas atitudes podem ser apontadas como resposta a essa pergunta. Uma sinaliza para uma visão mais altruísta. O grupo se filia porque deseja contribuir para uma causa. Tem o desejo de contribuir, de somar esforços na obra realizada pela convenção. Reconhece que pode somar unindo a outros que, com o mesmo ideal, militam numa ação conjunta. A outra, destaca uma postura egocêntrica. Quer receber os prováveis benefícios que a convenção possa lhe auferir. Esta visão instrumental aponta para uma relação objetal. Participo porque tenho ganhos. É a visão capitalista, do lucro. Neste sentido, quando as expectativas não são atendidas, uma fala vem aos lábios: “não compensa participar, não estou ganhando nada”. “A igreja não precisa da convenção”.

O que de fato leva os batistas a se associarem filiando a uma convenção é o seu espírito associativo. Somos cooperadores e reconhecemos que juntos podemos mais. Juntos, alcançamos mais longe. Juntos, podemos realizar plenamente a comunhão, princípio do evangelho.

Quando há essa consciência cooperativa, estar ligado a um grupo pelos motivos corretos reforça a ação individual de cada igreja e na soma de nossos esforços, realizaremos nossa missão maior: evangelizar o mundo. O espírito do cristianismo é a doação, a entrega e o cuidado do outro. Nas paginas do Novo Testamento encontramos o ensinamento da cooperação, da ajuda ao outro em suas necessidades. Nosso sistema cooperativo e associativo permite que, como igrejas locais, tenhamos uma ação global, cumprindo assim, o IDE de Jesus.

Pr. Wagno Alves Bragança




terça-feira, 8 de junho de 2010

Mutirão Mundial de Oração Por Crianças e Adolescentes em Situação de Risco

O que é o Mutirão Mundial de Oração Por Crianças e Adolescentes em Situação de Risco?

O Mutirão Mundial de Oração (MMO) é a união de cristãos em todo o mundo para orar por crianças e adolescentes em situação de risco. Por iniciativa da Viva (www.viva.org), ele acontece há 15 anos em mais de cem países. Desde 2003 ele é também promovido no Brasil pela Rede Mãos Dadas. Em 2009, o Mutirão envolveu quase 60 mil pessoas de 428 organizações e igrejas, em 21 estados do país.

Até 2005, a campanha se chamava Dia Mundial de Oração Por Crianças e Adolescentes em Situação de Risco. No Brasil, desde 2003, decidimos chamar de Mutirão de Oração, porque reservamos não somente um dia, mas sim a primeira sexta-feira e o primeiro fim de semana de junho. A partir de 2006, a coordenação internacional decidiu reservar o primeiro fim de semana de junho para o que chamou de Fim de Semana de Oração.

Bons tratos para a infância

Desde 2009, o Mutirão de Oração faz parte da Campanha Latino-americana pelos Bons Tratos da Criança “Ame seu próximo – bons tratos para a infância”.
O objetivo da campanha é fortalecer uma cultura de bons tratos, contribuindo para a prevenção e o combate à violência contra crianças e adolescentes. A campanha também quer desafiar a igreja a uma mudança de pensamento e atitude no que diz respeito à infância no continente latino-americano, caracterizado historicamente pela violência contra as crianças.

A campanha convoca a todos para a aprendizagem de uma comunicação mais saudável com a criança, por meio de ensino bíblico, modelos de trabalho e ferramentas efetivas para a promoção da proteção, do amor e da disciplina, com diálogo e alternativas de criação mais sábias. Leia mais

Por que orar?

Deus convida todo o seu povo, cristãs e cristãos de todas as idades, em todo o mundo a conversar com ele. Aproveite a oração como uma ferramenta que nos possibilita estar em todos os lugares, abençoando todas as pessoas, em todas as necessidades, mudando a realidade por meio da ação do Espírito Santo.

Como promover o mutirão?


Comece a orar na sexta-feira, dia 4, em sua organização, empresa ou projeto. No sábado (dia 5) e no domingo (dia 6), continue organizando momentos de oração em casa, na igreja e em seu bairro. Sensibilize e envolva crianças, jovens e adultos. Divulgue o evento com antecedência. Espalhe cartazes e folhetos, fale no rádio e na televisão. Organize eventos em espaços públicos, com informação, arte e oração. Use a criatividade!

Quem pode participar?

O convite de Deus para fazer a diferença é direcionado a toda a Igreja, em todos os seus ministérios e instituições paralelas, aos cristãos de todas as idades. É importante que a Igreja atenda ao chamado para amar e cuidar dos pequeninos e reconheça a importância deles aos olhos de Deus, percebendo-se como instrumento do Senhor para salvar espiritualmente e resgatar socialmente as crianças e adolescentes em situação de risco.

O que é situação de risco?

Dentro de uma estrutura social baseada na segregação, crianças e adolescentes são impedidos de terem seus direitos fundamentais preservados. Persistindo as condições de vida atuais, não terão seus direitos assegurados no que diz respeito a uma vida digna e produtiva.

Há 15 anos!

O Mutirão Mundial de Oração Por Crianças e Adolescentes em Situação de Risco acontece há 15 anos em mais de cem países. No Brasil, a participação efetiva da Igreja Evangélica começou em 2003. Na época, registramos o envolvimento de 120 comunidades em 14 estados brasileiros. De lá para cá, a mobilização tem crescido:

Ano 2009

Quase 60 mil pessoas de 222 igrejas e 206 organizações sociais oraram em 21 estados brasileiros. Contabilizamos 58.843 minutos de oração, isto é 980 horas e 43 minutos. Recebemos um número recorde de relatório: 204. Do total de participantes, apenas 30% eram crianças, o que confirma uma participação maior dos adultos nos momentos de oração.


Pena não ter sabido disto antes, mas estarei orando por esta asociação.... Sou professora em uma escola de periferia e sei muito bem do que se trata. Não tem nada mais vantajoso que unir forças em prol das nossas crianças.
Você está de Parabéns na divulgação!
Abraços,
Andréa - IBPS - Muriaé.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Dia do homem batista



Os batistas brasileiros comemoram no primeiro domingo de junho o DIA DO HOMEM BATISTA, reconhecendo a importância da figura masculina na vida das famílias, igrejas e sociedade.

domingo, 6 de junho de 2010

CADA CRENTE UM MINISTRO!


Ao escrever aos Coríntios (I Cor.12.7), Paulo declara esta verdade – cada crente é um ministro – “A cada um, porém, é dada a manifestação do Espírito, visando ao bem comum”. Esta afirmação é corroborada por Pedro (I Ped.2.5 e 9), onde fala do sacerdócio universal de todos os crentes, que mediados por Jesus, podem ir diretamente a Deus em busca de perdão, através do arrependimento e da fé. Ele não necessita para isso de nenhum outro indivíduo, nem mesmo da igreja para mediá-lo. Há um só mediador entre Deus e os homens, Jesus.

Depois de tornar-se crente, passa a ter acesso direto a Deus, através de Jesus Cristo. Entra no sacerdócio real que lhe dá o privilégio de servir à humanidade em nome de Jesus Cristo. Deverá partilhar com os homens a sua fé e servi-los em nome e no espírito de Cristo. O sacerdócio do crente, portanto, significa que todos os cristãos são iguais perante Deus e na fraternidade da igreja local. Cada cristão, tendo acesso direto a Deus através de Jesus Cristo, é o seu próprio sacerdote e tem a obrigação de servir de sacerdote de Jesus Cristo em prol dos outros.

Somos salvos em Jesus Cristo para ministrar e manifestar o poder de Deus a cada pessoa. Somos cooperadores de Deus na construção do seu Reino. Você tem, pelo menos, um dom espiritual que serve para a edificação do corpo de Cristo (Rom.12.6). A igreja e todos os seus membros estão no mundo, a fim de servir. Cada filho de Deus é chamado como cristão e recebeu de Deus uma capacitação especial para servi-lo. Desta forma, não podemos negar o valor devido à natureza singular da chamada de cada crente ao serviço de Cristo. Somos todos responsáveis pela expansão do Reino e edificação do povo de Deus por meio do serviço prestado ao Mestre (Ef.4.11-13). Paulo instrui as igrejas a buscarem crescer no conhecimento de Jesus Cristo que é o cabeça da igreja e que devemos nos submeter a Ele (Ef.1.10). Quando nos colocamos debaixo da autoridade de Cristo nos tornamos parceiros dEle em sua obra.

Ser ministro é assumir o seu papel de contribuir com a salvação de pessoas, trabalhar para edificação do Corpo de Cristo, dedicando seus dons e talentos à causa de Cristo. Fomos salvos para servir. Ninguém está fora desta missão. Todos podem e devem servir ao Mestre, na igreja, de acordo com seu chamado e missão.

Que Deus encontre em cada servo a disposição do serviço na dependência do Espírito Santo, sabendo que “...o vosso trabalho não vão no Senhor” (I Cor.15.58).
Pr. Wagno Alves Bragança



sábado, 5 de junho de 2010

"Buscamos professores com o dom de ensinar, com a disposição de ter uma mente renovada e conscientes de seu papel de mediador no processo educacional releigioso".
Claudia Campos Coimbra

sexta-feira, 4 de junho de 2010

O pergigo ronda



"A criação está tocando o alarme há muito tempo, mas continuamos  a viver como se  fôssemos a última geração da terra. Se não despertamos, nossos filhos e netos não terão mais nada para preservar, nem lugar para viver."

Você não pode imperdir o derramamento de  petróleo no mar, mas pode deixar de jogar óleo de cozinha na pia. Além de entupir o encanamento contamina os rios.
Alguns condomínios em São Paulo já estão coletando o óleo usado pelos moradores e distribuindo para a reciclagem. A propósito o óleo de cozinha usado dá um sabão muito bom.

A Bíblia diz que "ao Senhor pertence toda a terra e tudo o que nela há". Porém, Deus nos deu a responsabilidade de cuidar do mundo que ele criou. Mas com nossas pequenas ações de irresponsabilidade estamos deixando a "natureza mortalmente ferida, doente e agonizante". 

Conheça o trabalho da Rocha Brasil - Cristãos pela conservação