quarta-feira, 31 de março de 2010

Afinal o que é Páscoa?- Êxodo 12

















A palavra páscoa significa “passagem” e está relacionada primeiramente ao povo de Israel quando escravizado no Egito. Mas que passagem será essa?
Como os israelitas saíram de Canaã e se tornaram escravos no Egito?

Tudo começou com o jovem José que morava na terra de Canaã com seu pai Jacó também conhecido como Israel. José era uma espécie de “queridinho do papai” por isso seus irmãos sentiam inveja dele. Um dia, por pura maldade, venderam-no a uns comerciantes. Os comerciantes venderam José a Potifar oficial do Faraó do Egito.

Depois de um tempo servindo a Potifar como um escravo doméstico, José foi preso injustamente. Mas Deus estava cuidando dele. Lá na prisão dois presos que eram servos de Faraó tiveram um sonho. Deus deu a José o poder da interpretação. E tudo aconteceu do jeitinho que José interpretou; um foi morto e o outro voltou a servir ao Faraó.

Um tempo depois o próprio Faraó teve dois sonhos e José foi chamado para interpretá-los. De acordo com a interpretação dos sonhos, o Egito passaria por um período de sete anos de boa colheita e muita fartura. Teria também logo após, sete anos de escassez de alimentos. Além de interpretar os sonhos de Faraó, José deu sugestões para resolver o problema, guardando os alimentos dos sete anos de fartura para serem consumidos nos sete anos de fome. O Faraó ficou tão impressionado com a sabedoria de José que o convidou para ser o governador do Egito.
No período dos sete anos de fome os irmãos de José saíram de Canaã e foram ao Egito comprar comida. José os reconheceu e os levou para o Egito juntamente com seu pai e todos que moravam com ele. Ao todo setenta pessoas.

O tempo passou. José envelheceu e morreu. Outros faraós que não conheciam José sucederam aquele que o conhecia. E os israelitas, considerados estrangeiros foram obrigados a trabalhos forçados e se tornaram escravos.

Depois de quatrocentos anos Deus ouviu o clamor do povo de Israel. Ele enviou Moisés para tirar o povo do Egito e trazê-lo de volta a Canaã. Não foi fácil libertar o povo da escravidão. O Faraó não queria perder todo aquele trabalho que era feito de graça. Só depois de sofrer dez pragas é que Faraó deixou o povo sair.

O significado da palavra “páscoa” está relacionado à décima praga que Deus mandou sobre o Egito: “ a morte dos primogênitos, ou seja dos primeiros filhos, tanto das pessoas como dos animais. Para que os filhos mais velhos dos israelitas também não morressem Deus orientou-os em como agir. Deveriam matar um cordeiro, passar seu sangue na parte superior da porta. Deveriam também comer a carne do cordeiro assada e com as malas prontas, porque assim que os egípcios descobrissem que seus filhos mais velhos haviam morrido o faraó deixaria o povo partir de volta para sua terra.

Aconteceu exatamente assim. A morte não passou em nenhuma casa que tinha o sangue do cordeiro na porta. Faraó ao descobrir que seu filho mais velho havia morrido, chamou Moisés e mandou que o povo saísse imediatamente do Egito. E o povo saiu liderado por Moisés.

Deus ordenou que o povo comemorasse todos os anos a data da saída do Egito com uma festa chamada Páscoa – “Passagem da morte sobre as casas onde tinha o sangue do cordeiro, deixando vivos os primogênitos israelitas” e “passagem da escravidão do povo de Israel para a liberdade”.
Por que a Páscoa também está ligada a Jesus Cristo?

  • Jesus Cristo foi chamado por João Batista de “O cordeiro de Deus”. Da mesma forma que a morte e o sangue do cordeiro livraram os primogênitos dos israelitas da morte física a aceitação do sacrifício de Jesus na cruz do calvário nos livra da morte eterna.
  • A morte e ressurreição de Jesus aconteceu na ocasião da comemoração da festa da Páscoa. Ele é o cordeiro de Deus que morreu e ressuscitou para libertar todo aquele que nele crê da escravidão do pecado, dando-lhe a liberdade da vida eterna.
Por que os símbolos da Páscoa são ovos e coelhos?
Ao longo da história as pessoas foram inventando maneiras de comemorar a morte e ressurreição de Jesus:
  • Considerando que a morte e ressurreição de Jesus está relacionada ao presente da salvação. As pessoas começaram trocar presentes por ocasião da Páscoa.
  • Conta-se que uma senhora camponesa, sem dinheiro para comprar presentes para os filhos no dia da Páscoa, teve uma idéia brilhante. Pintou vários ovos de galinha com tintas coloridas e escondeu-os no quintal. As crianças passaram algum tempo brincando de encontrar ovos escondidos. Quando uma das crianças encontrou um ovo, passou um coelho correndo perto do local. Na sua fantasia infantil ela pensou que o coelho havia botado o ovo colorido.
  • O hábito de trocar ovos de chocolate surgiu na França. Antes disso, eram usados ovos de galinha para celebrar a data.
Mas o maior presente é sempre dado por Jesus: a salvação: uma vida feliz aqui na terra e eternamente feliz no céu.
Considerando que coelhos e ovos de chocolate não tem nada a ver com a morte e ressurreição de Jesus para a salvação dos pecados das pessoas, qual deveria ser então os símbolos da Páscoa?
Senhorinha Gervásio

terça-feira, 30 de março de 2010

Escola dos Sonhos 12- Bons tratos para com as crianças: começando pela igreja


Tenho falado nestes dias sobra a campanha bons tratos para a infância. Hoje apresento para os leitores o editorial da revista Mãos Dadas escrito por Elsie Bueno Cunha Gilbert.

“Esta edição de Mãos Dadas tem por objetivo oferecer ferramentas que nos ajudem a influenciar nossas igrejas locais e nossos projetos sociais a serem lugares nos quais as crianças se sintam muito bem tratadas. Queremos que todos nós que nos chamamos cristãos reconheçamos a importância de promover os bons tratos para com a criança em todas as formas de ser povo de Deus envolvido no seu reino. Mas para tanto é preciso que nós mesmos nos convertamos à igreja local. Temos a tendência de olhar para o todo, para o grande, esquecendo-nos da influência que podemos exercer na nossa comunidade de fé mais próxima.

A verdade é que Cristo valoriza a igreja e que cada um de nós (criança ou adulto) precisa dele! Há muitas e boas razões para nos convencermos de que o plano de Deus — de trabalhar neste mundo por meio de homens e mulheres comprometidos com o seu reino e unidos em amor uns aos outros — é o melhor. Dois aspectos muito simples me animam a valorizar o papel da igreja:

1. A igreja não acaba. Um projeto social ou escola têm data marcada para se encerrar na vida de uma criança e esse dia chega rápido. Mas a igreja permanecerá até que Cristo venha! Quando a igreja acolhe uma criança, ela acolhe o seu presente, o seu passado (as crianças são ótimas evangelizadoras dos pais) e o seu futuro (sua vida adulta, seus filhos, netos e bisnetos!).

2. A igreja é uma família, e não uma escola. No mundo de hoje é raro termos uma família unida e presente, com pai e mãe, irmãos e irmãs, avôs e avós, tios, tias e primos, que se amam e buscam o melhor uns para os outros. Uma grande família substituta é algo pelo que muitos de nós ansiamos e de que precisamos desesperadamente. A igreja pode oferecer isto.

Não quero dizer que o ideal é acabar com projetos sociais e investir apenas na igreja. Mas que o nosso trabalho envolve também aproximar a igreja das iniciativas sociais e vice-versa. Portanto, nós, homens e mulheres cristãos, envolvidos no trabalho de cuidado, resgate ou defesa das crianças e adolescentes, devemos manter duas lealdades: precisamos ser leais às crianças e fiéis à igreja. Devemos promover o envolvimento da igreja nas causas sociais que afetam a vida das crianças, e ser pontes que ligam a criança a uma vida feliz no seio de uma comunidade de fé.”Que desafio! Que trabalho gratificante!”


Elsie Bueno Cunha Gilbert, editora

segunda-feira, 29 de março de 2010

Escola dos Sonhos 11- Campanha de bons tratos para a infância


Tenho falado nestes últimos dias sobre a Campanha Latino-americana “Ame o Seu Próximo” — “Bons Tratos para a Infância” , que deseja discutir sobre este assunto e para isso está provocando um grande movimento entre as igrejas evangélicas. É coordenada pelo Movimento Cristão Juntos por La Niñez e, no Brasil, está a cargo da Rede Mãos Dadas.
O objetivo da campanha é fortalecer uma cultura de bons tratos, contribuindo para a prevenção e o combate à violência contra crianças e adolescentes.
A campanha também quer desafiar a igreja a uma mudança de pensamento e atitude no que diz respeito à infância no continente latino-americano, caracterizado historicamente pela violência contra as crianças.
A campanha convoca a todos para a aprendizagem de uma comunicação mais saudável com a criança, por meio de ensino bíblico, modelos de trabalho e ferramentas efetivas para a promoção da proteção, do amor e da disciplina, com diálogo e alternativas de criação mais sábias.
Duração-A Campanha Latino-americana pelos Bons Tratos da Criança tem duração de 3 anos; começou este ano e vai até 2011.
Há 3 ênfases – uma para cada ano:
- 2009: “Cada menino e menina, respeitado como uma pessoa criada à imagem de Deus”
- 2010: “A Igreja como uma comunidade de acolhimento e promotora de bom trato com as crianças e adolescentes”
- 2011: “As crianças como agentes promotores de uma cultura de bom trato”
Em 2010, a expectativa é que o movimento “Juntos Por La Niñez” apresente alguns resultados no Congresso Internacional sobre Evangelização Mundial Lausanne III, na África do Sul.
Informações obtidas em:

domingo, 28 de março de 2010

Escola dos sonhos 10- Bons tratos para a infância














O que são maus-tratos
Maltratar uma pessoa é não perceber o seu valor, é desprezá-la... Maltratar uma criança é tratá-la como se ela não existisse, falando por ela, olhando por cima dela, usando o toque para coagi-la, e não para expressar afeto.
Maltratar uma criança é não perceber nela uma obra criada pelos dedos de Deus e a partir do seu coração. Muitas vezes agimos assim sem intenção de maltratar, mas a verdade é que isto abre as portas para os maus-tratos intencionais. Se ninguém dá valor, ninguém vai se incomodar ao ponto de agir em favor daquela criança. Estão criadas assim as condições para que o abuso e a violência se estabeleçam de forma perversa.

O que são bons tratos

Os bons tratos anulam os efeitos dos maus-tratos e minam a violência. O bom trato é um reflexo da nossa atitude para com Deus, e para com a sua obra prima, o ser humano. Tratamos bem uma pessoa porque reconhecemos nela o toque de Deus e a valorizamos, queremos o seu bem-estar. O bom trato para com a criança é reconhecer em cada uma, esta pessoa tocada de forma única pelo próprio Deus!
O bom trato implica na disposição em lutar pelos direitos de cada criança e adolescente como parte do compromisso que temos em garantir uma vida digna, uma vida plena para eles.

Como vacinar todo mundo?

Sendo os bons tratos a própria vacina contra os maustratos, a nossa tarefa consiste em impregnar todos os ambientes sociais com ela. Que fatores favorecem os bons tratos? Trabalharmos para transformar cada ambiente em um lugar acolhedor. Onde há luz, não há trevas; onde há limpeza, a sujeira desaparece; onde se praticam os bons tratos, os maus-tratos se tornam impraticáveis. A casa, a escola, o projeto social e a igreja precisam da ação transformadora dos valores do reino de Deus. À medida que estes valores ganham espaço, os conceitos que sustentam o comportamento agressivo são confrontados e banidos. Um aviso: este trabalho é mais difícil do que parece. Valores e conceitos gostam de se esconder, intenções impuras preferem morar nas sombras. Assim como na luta contra o sarampo ou a pólio, é preciso insistir, repetir e persistir na ação de combate!

Podemos e devemos impregnar todos os espaços com os valores do reino de Deus. E nestes ambientes as crianças serão tratadas com amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio. Portanto, mãos à obra! As crianças e os adolescentes da sua cidade agradecem. (E. G.)


Extraido com adaptações da revista Mãos Dadas p. 7 volume 24


sábado, 27 de março de 2010

Escola dos sonhos 9- Campanha Latino-americana pelos Bons Tratos


Que muitas crianças estão em risco todos nós sabemos. Basta ver os noticiários sobre adultos que maltraram seus filhos, causando-lhes sofrimentos atrozes e alguns chegam ao limite da tortura como o caso do casal Nardoni. Ainda bem que foram condenados a 31 e 26 anos pela morte da menina Isabela.

O que não sabemos de imediato é o que fazer para mudar a situação de insegurança e perigo em que vivem as crianças brasileiras e latino-americanas.
Dentro da série que iniciei sobre "escola dos sonhos" quero apresentar o excelente trabalho que o ministério Rede Mãos Dadas tem feito em favor das crianças.

A revista nº 24 de março/2010 é uma edição especial sobre a Campanha Latino-americana pelos bons tratos da criança. Estarei nesses próximos dias, refletindo um pouco sobre esse assunto a partir dessa camapanha. Quero convidá-lo a que se envolva também, descobrindo maneiras simples de bons tratos às crianças que você conhece.

Assim está escrito na página 5 da revista Mãos Dadas:

"Em setembro de 2000, 1.300 líderes cristãos evangélicos se reuniram no IV Congresso Latino-americano de Evangelização (CLADE IV) em Quito, Equador, para entender os caminhos de Deus para a igreja no continente. Destes, um grupo de 105 pessoas refletiu especialmente sobre os ministérios voltados para a infância. De acordo com o documento final sobre a infância, aprovado por todos os líderes presentes no CLADE IV, “a igreja latino-americana precisa urgentemente de consciência, compromisso e dedicação à infância, ou seja, uma verdadeira conversão a ela. Uma leitura do contexto atual e da Palavra de Deus exige de nós mudar a visão que temos do trabalho em favor das crianças e dos adolescentes e alterar a ordem das prioridades”. Como resultado desta reflexão inicial feita no CLADE IV surgiu o Movimiento Cristiano Juntos Por La Niñez (MJPN), com a participação de lideranças evangélicas envolvidas na causa das crianças por toda a América Latina. Este movimento quer melhorar a resposta da igreja frente aos problemas vividos pelas crianças. A ideia de uma campanha pelos bons tratos surgiu em 2007 na Colômbia e foi planejada em 2008 no Peru. Em 2009 houve uma movimentação no sentido de preparar material e sistemas de comunicação. A Rede Mãos Dadas participou desde o começo da elaboração da campanha e traz nesta edição material rico de reflexão sobre o que são os bons tratos. Queremos transformar a infância das crianças em um período no qual a mão de Deus se faz presente com toda as sua bondade e misericórdia e no qual toda ação inimiga é frustrada! Precisamos de você, da sua organização, da sua igreja local! (E.G.)"



Até amanhã com mais informações sobre a campanha "Bons tratos da criança".
Senhorinha

sexta-feira, 26 de março de 2010

Escola dos sonhos 8- Pais que ensinam os filhos a guardar seus brinquedos


Içami Tiba-


Quando as crianças esgotam a vontade de brincar, é comum elas largarem os brinquedos e partirem para novas atividades, deixando o local na maior bagunça.
A maioria dos pais acha natural que as crianças não precisem guardar seus brinquedos. Afinal, são crianças. Usando “guardar brinquedos” como exemplo emblemático, atentemos aos detalhes.

Ensinar gratidão
Uma das grandes queixas dos pais é que as crianças não lhes são gratas. Mas os pais não ensinam que a brincadeira acaba após os filhos guardarem tudo. Portanto, deixar os brinquedos em ordem é responsabilidade dos filhos. Se alguém o faz, eles têm de agradecê-lo. Começa a germinar dentro deles o sentimento de gratidão.

Ensinar a cuidar dos seus pertences
As crianças brincam naturalmente de enfileirar, empilhar, encaixar e ordenar seus brinquedos. Os ensinantes poderiam aproveitar essa característica infantil para também guardá-los. Não precisa esperar os filhos crescerem para organizarem seus pertences, arrumarem seu quarto, ajudarem no cuidado com a casa.

Ensinar a respeitar os pertences dos outros
As crianças não podem trazer da escola para sua casa quaisquer objetos que não lhes pertençam. Se quiserem pegar, que peçam emprestado e, depois devolvam, agradecendo o uso. As mães não têm de correr atrás do secador de cabelos que as filhas levaram para o quarto. É preciso que os filhos aprendam o quanto antes que, para ser respeitado, é preciso respeitar as outros pessoas e seus pertences.

Ensinar a deixar em ordem o local usado
Nenhum adulto é obrigado a ficar se desviando dos brinquedos para andar na própria casa. É comum encontrar adultos sem essa educação – o que se nota nos banheiros. Há usuários que não apertam a descarga e deixam papéis usados no chão, as pias molhadas e tudo aceso. Não têm a cidadania de se preocupar com o próximo usuário.
Içami Tiba- Com mais de dois milhões de livros vendidos, Içami Tiba é autor do Best-seller Quem ama, educa. Médica pela Faculdade de Medicina da USP, psiquiatra, pelo Hospital das Clínicas da UFMG. Professor supervisor de psicodrama de adolescentes pela Federação Brasileira de Psicodrma, membro da equipe técnica da Associação Parceria Contra Drogas – APCD. É membro eleito do Board of Directors of lhe international Association of Group Psychotherapy, conselheiro do Instituto nacional de Capacitação e Educação psra o trabalho “Via de Acesso” e professor de diversos cursos e workshops n o Brasil e no exterior. É colunista do Jornal da Tarde e apresentador do programa “Quem ama, educa!”, da rede Vida de Televisão.

quinta-feira, 25 de março de 2010

A BÍBLIA ESCONDIDA (Baseada na vida de Otávio da Silveira Gervásio)












Há muitos anos, na verdade há 88 anos, uma numerosa família constituída do pai Diógenes da Silveira Gervásio, da mãe Rita Maria da Conceição e nove filhos, saiu de Laranjal município de Cataguases - MG, fixando residência em Humaitá, município de Mutum – MG. Por ocasião da mudança o filho mais velho, Otávio da Silveira Gervásio tinha 15 anos e era o ano de 1924. Muito trabalho esperava a nova família, principalmente um, que deve ser evitado hoje: o desmatamento. Foi necessário o corte de muitas árvores gigantescas para a construção de casas e formação de lavouras e pastos.


O pai Diógenes era um português bravo e rígido com os filhos, exigindo obediência absoluta. Os filhos por sua vez, obedeciam-no em tudo com o maior respeito. Mas em dado momento de sua vida Otávio, teve de desobedecê-lo. E foi assim: Aos dezessete anos Otávio foi dar um passeio, em um domingo. Depois de andar uns dezoito Quilômetros, algo lhe chamou a atenção ao passar perto de uma casa. Ele ouviu uma linda música cantada por um grupo de pessoas. O jovem então apeou de seu cavalo e ficou ali embevecido, ouvindo pela primeira vez algo tão belo jamais presenciado em toda sua vida! Aquela música foi usada pelo Espírito Santo para sensibilizar seu coração. E dela ele se lembraria por toda a vida. Ele não se cansava de cantar:

Ao findar o labor desta vida,Quando a morte ao teu lado chegar,
Que destino há de ter a tua alma?Qual será no futuro o teu lar.
Meu amigo, hoje tu tens a escolha: Vida ou morte, qual vais aceitar?
Amanhã pode ser muito tarde, Hoje Cristo te quer libertar.

Tratava-se de um grupo de crentes batistas que se reunia todos os domingos para louvor e adoração a Deus e estudo Bíblico. Na ocasião, eles cantavam o hino 407 CC. Depois de ouvir a pregação, Otávio, compreendendo a mensagem, aceitou a Jesus como salvador, fazendo com Deus o compromisso de ser também um crente. Escolheu a vida, como dizia o hino cantado. Essa escolha, porém, lhe colocou diante de uma situação delicada: Se por um lado obedecia a Deus, por outro, desobedecia a seu pai que era ferrenhamente contra a crença dos chamados “protestantes” e seu “livro de capa preta”, nome pejorativo dado à Bíblia.

Sabedor de que no aspecto espiritual, seu pai estava enganado, Otavio preferiu obedecer a Deus e continuou, de forma secreta, a participar dominicalmente do culto e Escola Bíblica. Porém o jovem sabia que não estava livre do castigo do pai. Era só uma questão de tempo. Mais cedo ou mais tarde ele descobriria seu segredo. Não demorou muito para que isso acontecesse. Um dia ele ganhou uma Bíblia. Sua curiosidade em descobrir a vontade de Deus para sua vida, foi tal que ele começou a lê-la durante as madrugadas à luz da lamparina, aproveitando o sono dos demais. Acontece que as casas naquela época não possuíam Lages. Eram de telhados e a luz em um cômodo podia ser vista por quem estivesse em outros. Otávio foi pego em flagrante:
__O que esse menino está fazendo com lamparina acesa até essa hora, gastando querosene?! Foi a pergunta do pai ao acordar certa madrugada. E lá foi ele olhar pela fresta da porta. Otávio estava sentado na cama lendo. Que livro poderia ser aquele? Olhando um pouco mais firme, a confirmação lhe veio como uma facada no peito:
__ “O livro da capa preta”! Não pode ser! Tudo, menos isso.
Diante da fúria do pai, Otávio teve que fazer nova escolha: consumir com a Bíblia e continuar em casa ou, ir embora com ela. O convívio com seus familiares era para o jovem um tesouro. Mas o que estava descobrindo com a leitura da Bíblia se constituía em um tesouro incomparavelmente maior. Diante do veredicto do pai, o rapaz mudou-se para uma casinha velha sob a ameaça de que um dia seu “livro” seria queimado. Esse dia chegou! Cumprindo sua promessa o pai foi até à casa do filho em busca do “livro da capa preta”. Nada encontrou. O rapaz era esperto! Ao sair de manhã para o trabalho levava consigo a Bíblia que era cuidadosamente escondida no mato. Ao saber desse fato Sr. Diógenes arquitetou novo plano para o sumiço do “livro”. Era só esperar o momento certo. Em um belo dia Otávio fez uma pequena viagem. Sr. Diógenes partiu em busca de sua vingança. Procurou em todas as moitas, em volta da casa. Não conseguindo encontrar a Bíblia, o velho português, cumpriu seu intento: tocou fogo no mato queimando todo o pasto. Era o fim do “livro”. Pelo menos em sua concepção.


O que ele não sabia era que o esconderijo era bem mais seguro: era uma cova funda no chão, bem protegida, onde a Bíblia, embrulhada, era cuidadosamente escondida e coberta com terra. O fogo passou por cima e queimou todo o pasto. A Bíblia ficou intacta.


Sob a perseguição do pai, Otávio viveu até os vinte e dois anos, em constante intercessão pela conversão de seus familiares. O primeiro a ser alcançado pela misericórdia de Deus foi seu irmão Filinho. Ele passou a dormir na casa de Otávio e juntos liam a Bíblia até altas horas da noite. O tempo passou. Aos vinte seis anos Otávio se casou com a jovem Ermita Maria da Silva. Ambos sentiram o desejo de abrir um ponto de pregação em sua residência. Mas a casa era muito pequena e Sr. Diógenes jamais permitiria a construção de um salão de cultos em sua propriedade. Foi então que tiveram uma idéia muito criativa: Na porta da sala de casa existia uma enorme figueira que produzia sombra suficientemente grande, capaz de proteger do sol muitas pessoas. Otávio e Filinho fincaram paus no chão, colocaram tábuas e fizeram vários bancos e uma mesa. E ali muitos convidados, ouviam a Palavra de Deus e alguns compreenderam o seu amor. Mais tarde Otávio construiu uma casa maior com quarto, cozinha e uma sala grande, local que funcionou como salão de cultos durante um bom tempo. Foi nesse período que um pastor foi chamado para a realização dos batismos dos convertidos: Otávio e sua esposa Ermita, Filinho e mais dezesseis irmãos. Assim foi organizada a congregação Batista de Humaitá, pela Igreja Batista de Ocidente.


Suas orações aos poucos eram atendidas por Deus. Suas sete irmãs se converteram. Faltavam somente seus pais. E um dia eles compreenderam o amor de Deus. Otávio foi chamado para receber a notícia e incumbido de convidar o pastor para realizar os batismos. Na data marcada ele buscou seus velhos pais num carro de boi, pois Sr.Diógenes pesava mais de cem quilos e não agüentava andar à cavalo nem à pé. A cerimônia foi realizada pelo pastor Benjamim Cândido do Bem. Não podendo conter a emoção Otávio chorou durante a cerimônia.


O, agora, “irmão Diógenes”, separou uma parte do terreno para a construção da “casa de oração”. O templo foi construído e durante décadas serviu de abrigo para aqueles que cultuavam a Deus naquele local. Hoje um novo templo substitui o antigo e a nova geração substitui a anterior. São os descendentes do irmão Otávio e do irmão Filinho, os dirigentes, os pregadores, os instrumentistas, os vocalistas. A gratidão a Deus pelo trabalho missionário de Otávio continua nas suas lembranças, pois ele hoje se encontra na glória, desfrutando plenamente do amor de Deus e recebendo Dele o galardão pelo seu trabalho.
Por Senhorinha Gervásio

quarta-feira, 24 de março de 2010

Maria Skodowska Curie




A física polonesa Maria Skodowska Curie (1867-1934) é uma famosa personagem da história da ciência. Foi a primeira mulher a ganhar um prêmio Nobel, conseguindo se destacar como pesquisadora em uma época em que as universidades eram um domínio masculino. Mas qual, afinal, foi sua contribuição importante à ciência? Podemos dizer que, com a colaboração de seu marido Pierre Curie, ela “inventou” a radioatividade e descobriu novos elementos radioativos – o tório, o polônio e o rádio. Foi apenas a partir do seu trabalho que surgiu um enorme interesse pelos fenômenos radioativos e que essa área começou a se desenvolver de fato.


Costuma-se dizer que a radioatividade foi descoberta pelo físico francês Henri Becquerel (1852-1908) em 1896. No entanto, somente dois anos depois, em 1898 (um século atrás) o fenômeno da radioatividade foi percebido como algo totalmente novo, graças às pesquisas de Maria Curie e seu marido, o físico francês Pierre Curie (1859-1906).



Saiba mais em:
www.clubs.uci.edu/iotasigmapi/ISP_Membership.html

terça-feira, 23 de março de 2010

QUERO SER UM TELEVISOR

A professora Ana Maria pediu aos alunos que fizessem uma redação e nessa redação o que eles gostariam que Deus fizesse por eles. À noite, corrigindo as redações, ela se depara com uma que a deixa muito emocionada. O marido, nesse momento, acaba de entrar, a vê chorando e diz:"O que aconteceu?" Ela respondeu: "Leia". Era a redação de um menino:
"Senhor, esta noite te peço algo especial: Me transforme em um televisor. Quero ocupar o seu lugar. Viver como vive a TV de minha casa. Ter um lugar especial para mim, e reunir minha família ao redor... Ser levado a sério quando falo... Quero ser o centro das atenções e ser escutado sem interrupções nem questionamentos. Quero receber o mesmo cuidado especial que a TV recebe quando não funciona. E ter a companhia do meu pai quando ele chega em casa, mesmo que esteja cansado. E que minha mãe me procure quando estiver sozinha e aborrecida, em vez de ignorar-me. E ainda que meus irmãos "briguem" para estar comigo. Quero sentir que a minha família deixa tudo de lado, de vez em quando, para passar alguns momentos comigo. E, por fim, que eu possa divertir a todos. Senhor, não te peço muito... Só quero viver o que vive qualquer televisor!" Naquele momento, o marido de Ana Maria disse: "Meu Deus, coitado desse menino! Nossa, que coisa esses pais". E ela olha: "Essa redação é do nosso filho".

Pv 22:06 - Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando
envelhecer não se desviará dele.

Autor desconhecido

segunda-feira, 22 de março de 2010

Sobre mãos e mãos












Há muitos anos, tomei conhecimento, no período do dia das mães, de uma frase que dizia: “as mãos que embalam o berço são as que governam o mundo”. Sobre mãos, a Bíblia diz lá em Eclesiastes 9.10 "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque no além, para onde tu vais, não há obra, nem projetos, nem conhecimento, nem sabedoria alguma" e Colossenses 3.23 acrescenta o sentido do fazer envolvido pelas mãos: “E tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como ao Senhor, e não aos homens.
Nota-se nas afirmativas dos textos acima citados, que as mãos, no sentido figurado, estão relacionadas às nossas mais variadas ocupações, representando os vários fazeres, desde a mais terna expressão de afeto – embalar o berço, à mais alta função política - governar os países, instituições, grupos etc.
Caminhando para o sentido concreto, não são menos importantes as funções exercidas pelas mãos. Fazemos praticamente tudo com elas: dirigimos automóveis, teclamos no computador, limpamos a casa, lavamos a louça. Por essas e outras muitas atividades, as mãos estão sempre expostas e trabalhando o tempo todo. Sujeitas às mudanças bruscas de temperatura e aos inúmeros agentes agressores, elas sofrem mais que as outras partes do nosso corpo. Por isso perdem a maciez e elasticidade da sua pele, adquirem manchas escuras, enfim envelhecem precocemente em relação ao resto do corpo.
Eu que o diga! Já sofri alguns anos com uma alergia violenta em toda minha mão esquerda e o dedo indicador da mão direita. Ela ficou tão feia que eu fazia tudo para escondê-la. Evitava cumprimentar “de mão”, porque a pele do meu dedo indicador era tão seca que arranhava e tinha ocasião em que a alergia estava mais acentuada era preciso usar dois bandaids em cada dedo. Apesar de não resolver a situação, distribui pequenos potes de creme em todos os lugares possíveis: um em cada bolsa, porta luva do carro, sala, cozinha, quarto, banheiro, porque em questão de minutos o creme simplesmente evaporava e a pele ressecava novamente. Foi um tempo difícil que só a homeopatia resolveu.
Se no campo figurado podemos melhorar a atuação das nossas mãos, fazendo “tudo com todo o coração, como se fosse para Deus”, também no campo concreto existem algumas dicas que podem nos ajudar a cuidar melhor delas.

Eis algumas:
· Usar luvas especiais para desempenho dos serviços domésticos;
· Usar hidratante habitualmente para evitar ressecamento da pele;
· Usar sabonetes à base de glicerina, pois os comuns são muito alcalinos e ressecam a pele.
· Usar diariamente filtro solar, para evitar as manchas escuras;
· Limpar as unhas constantemente, sem roê-las, é claro;
· Usar um creme esfoliante a cada 15 dias para retirada das células mortas;
· Para quem pinta as unhas, ter o cuidado de retirar o esmalte assim que apresentar sinais de envelhecimento. Pior que unha sem esmalte é unha com esmalte cascado. Passa a ideia de descuido. E nenhuma mulher quer o título de descuidada.

domingo, 21 de março de 2010

Circuito Cultural da Praça da Liberdade inaugurado dia 21 de março 2010













A exemplo de muitas cidades importantes do mundo, Belo Horizonte ganha novos espaços culturais originados da reutilização de prédios históricos, especialmente adaptados às novas funções, criando um dos maiores conjuntos integrados de cultura do país: o Circuito Cultural Praça da Liberdade.
Inauguração a partir das 13 horas na prça da Liberdade.

sábado, 20 de março de 2010

Escola dos sonhos 7- Escola Estadual Mario Matos















(Supervisora Tania Araújo)
Entrevista concedida pela Supervisora (hoje função que ganhou o nome de especialista em educação básica) Tania Araujo da Escola Estadual Mario Matos em um dos bairros da cidade de Belo Horizonte. Eu a procurei por ser a Mario Matos uma escola dos sonhos.

Senhorinha- soube que a Escola Mario Matos tem vários projetos muito interessantes. Gostaria que me falasse sobre alguns deles, começando com a rádio escola.
Tania - Tudo começou com o “auditório”.
Senhorinha- o que é o auditório?
Tania - é um encontro semanal de todos os alunos para atividades culturais, para o desenvolvimento da oralidade e desinibição.
Senhorinha – Quem dirige esses encontros?
Tania - são os alunos, sob a orientação de um professor, o padrinho da turma.
Senhorinha – O que isso significa?
Tania- o professor padrinho é aquele professor escolhido pela turma para representá-la. Pois bem, em Outubro de 2009 o 9º ano apresentou um programa no “auditório” sob a coordenação da professora de português em homenagem ao dia dos professores. A apresentação foi em forma de “um programa de rádio”. O sucesso foi tanto que os próprios alunos fizeram o projeto de uma rádio e me apresentaram. E hoje a rádio funciona no horário do recreio. Estamos orgulhosos deles.
Senhorinha – Qual é a programação da rádio?
Tania – Música, informações e divulgações dos eventos da escola, charadas, troca de mensagens entre professores e alunos. A atenção dos alunos é total!
Senhorinha – A rádio tem um nome específica ou é chamada simplesmente de rádio da escola?
Tania – Foi feita uma enquete e o nome escolhido foi “Boleia”!
Senhorinha – Qual a justificativa para o nome?
Tania – Como a boleia de um caminhão que passa por diversas cidades com histórias diferentes a rádio escola toca as várias histórias de vida construídas durante os anos.
Infelizmente nesse momento da conversa fomos interrompidas.
Pretendo retornar à entrevista em outra ocasião. Mas o que posso afirmar para os leitores é que a Escola Estadual Mario Matos é uma escola cheia de sonhos, que se espalham entre os alunos e professores e que a rádio gerou o blog. Assim seus sonhos pularam o muro, ganharam a rua, a cidade, o Brasil e o mundo pelo caminhos da internet.
Você que acredita no sonho e no bem, pode conferir no endereço abaixo:
http://blogdaeemariomatos.blogspot.com/

sexta-feira, 19 de março de 2010

Escola dos sonhos 6- Integração do Teatro aos outros Ministérios

(Continuação)

São basicamente três os motivos que justificam a integração da equipe de teatro da igreja aos demais ministérios.

  1. A ajuda que se pode dar ao ministério do ensino, da evangelização, da pregação, da comunhão etc.
  2. A tentativa de se evitar que as pessoas envolvidas com Teatro fiquem destacadas das demais, como se fossem “os artistas” e que a própria estratégia seja considerada melhor que as outras.
  3. Derrubar o mito de que fazer teatro é coisa fácil que não exige talento e dedicação.
É do conhecimento de todos que arte de representar exerce grande fascínio nas pessoas. Talvez pela grande publicidade que a mídia faz em torno da vida pessoal dos atores e diretores. Querendo ou não, parte desse fascínio pode influenciar aqueles que optam por abraçar o Teatro Evangélico como ministério. Há de ficar bem claro para o grupo que o objetivo de sua arte não é a promoção pessoal, o estrelismo e a aclamação pública. O grupo de Teatro não é um grupo de elite e sim de um grupo de servos, que a exemplo dos outros, tem que trabalhar muito para obter qualidade. A glória do ator, como a de qualquer servo deve ser revertida ao Senhor. Importa que Jesus apareça. Se isso não acontece o objetivo já foi perdido, esse teatro já deixou de ser evangélico e se tornou apenas religioso.
O teatro na evangelização- O teatro abre espaço para o evangelismo. Muitos que não entrariam em um templo evangélico para ouvir uma pregação, entram apara assistir a uma peça de teatro. Por outro lado, uma rápida encenação em uma praça pública desperta muito mais a curiosidade do transeunte do que uma pregação tradicional. Tanto numa quanto na outra situação o que está em jogo é a atração que a arte exerce sobre as pessoas. Este é um modo inteligente de aproveitar o fascínio da sociedade pelo do artista. Assim aquele que participa para apreciar o trabalho do ator acaba usufruindo também da mensagem de salvação. Neste caso o sermão deve ser rápido e complementar, terminando antes que as pessoas que foram atraídas pela peça, percebam.
Existem muitas peças curtas de dois , três minutos que são um ótimo complemento para as mensagens. Elas porém, não devem ser apresentadas fora do contexto da pregação, simplesmente como atrativo.
O teatro no ensino- O teatro pode facilitar o ensino, sendo uma exemplificação viva para fugir aqui e ali do esquema de exposição. Com uma encenação a aula pode se tornar mais participativa e com isso ter melhores resultados de aprendizagem. Quando o grupo de alunos encenam uma conteúdo ele fica realmente aprendido.
O teatro e a música- É comum nas apresentações de cantatas a participação do grupo de teatro em pequenas encenações. Mas não é tão comum o grupo de música participar com os fundos musicais e canto, nas peças de teatro. A integração desses dois ministérios pode trazer grandes benefícios para ambos, através da comunhão e oração.
O teatro como uma pregação diferente- Uma vez ou outra substituir a pregação convencional por uma peça de teatro pode dar certo, tomando é claro, alguns cuidados:

  1. Buscar unidade entre os cânticos e o conteúdo da peça;

  2. Considerar o público assistente, adequando tema e linguagem para que a mensagem seja bem recebida;

  3. Aproveitar a peça para o apelo, associando o que as pessoas viram em cena com suas necessidades espirituais. O apelo não deve ser uma nova pregação.
O teatro como reforço para a mensagem- O uso de pequenas dramatizações antes ou durante a pregação podem clarear os objetivos da mesma, bem como ajudar a gravá-la na memória. Pode-se também em vez de ler o texto bíblico, dramatizá-lo e depois pregar o sermão.
O teatro como lazer em ocasiões sociais- A elaboração de peças teatrais está sempre entre as atividades de gincanas organizadas dentro e fora da igreja. Elas promovem entre os participantes momentos de grande prazer. Muitas peças cômicas apresentam mensagens cristãs em que Deus continua presente nas entrelinhas do texto.

quinta-feira, 18 de março de 2010

Escola dos sonhos 5- O teatro como desafio à criatividade













(Clique sobre a imagem para ampliá-la)
Cilene Guedes em seu livro: Teatro Evangélico- um desafio à criatividade, apresenta a diferença do teatro evangélico do secular. Para ela a única diferença se dá pelos objetivos e mensagem. Fora isso os elementos são os mesmos: corpo, voz, interpretação, improviso, construção de personagens, dedicação e qualidade. O que garante o caráter evangélico é a presença de Jesus, não necessariamente no palco, mas no coração de quem trabalhou na montagem, engrandecendo o Reino de Deus. É a entrega das falas, dos movimentos e de todas as atividades inerentes ao espetáculo, como louvor a Deus, juntamente com o desejo de que o público conheça-o através da mensagem veiculada. Fazer teatro evangélico é fazer teatro por Deus e para Deus, colocando a arte a serviço de Sua obra.
Por ter grande potencial de comunicação, o teatro torna a mensagem acessível, penetrante, provocando reflexões, mudança de pensamentos e até transformação de atitudes. Ex. Um dependente químico que procura ajuda após assistir a uma peça de teatro sobre o assunto. A decisão foi dele, mas a peça o ajudou a entender sua situação.
Seu poder está em proporcionar o envolvimento emocional do expectador, abrangendo praticamente toda a sua capacidade perceptiva, de uma forma tão intensa, que fica impossível não prestar atenção e não participar da trama. Ao longo da peça o expectador entra no jogo cênico e se vê cogitando possíveis soluções para os conflitos. A imaginação é ativada, dando-lhe um gosto especial pelo sonho, que torna a vida mais divertida. Jesus foi sábio provocador de imaginação em seus ouvintes. Contava suas histórias, levando as pessoas a imaginarem uma situação e nem sempre explicava que lições tirar delas. Através da imaginação ele trazia as pessoas para a realidade de seus ensinos.
Como os conflitos da arte teatral são os mesmos do cotidiano o expectador percebe-os interpretados pelo ator e se deixa cativar. Se o trabalho humano já é tão capaz de mexer por si só com o expectador, imagine com a atuação do Espírito Santo de Deus? Teatro evangélico é Deus trabalhando profundamente com os componentes do espetáculo e com o público.
Por tudo isso, fazer teatro em favor do Reino de Deus, por sua capacidade de tornar a mensagem acessível, de envolver o expectador e cativá-lo, não é imitar a forma de agir do mundo, mas sim usar as estratégias que Jesus usou. (...continua )

quarta-feira, 17 de março de 2010

Escola dos sonhos 4- A arte como elemento de preservação da natureza


Em Gênesis 1 a partir do verso 28b Deus entrega aos seres humanos o domínio do reino vegetal e animal para seu sustento. Muito mais tarde o Apóstolo Paulo em sua carta aos Romanos 8.18-22 fala do sofrimento da natureza (v.22) que geme como em dores de parto e aguarda com grande expectativa, que os filhos de Deus sejam revelados.

A verdade é que a humanidade não soube cuidar do planeta que recebeu como presente de Deus. E nós os cristãos estamos incluídos nesse desmando. Ficamos no estado de contemplação, somente à espera da “libertação futura” prometida no verso 21 e como igreja fazemos pouco para aliviar o sofrimento da natureza. Não encabeçamos campanhas de preservação, não ensinamos nem praticamos. Agimos como se o cuidado com o “mundo de Deus”, fosse assunto só para os ativistas do Greenpeace. Apesar deles não terem a mesma compreensão que nós, nem usarem o termo “mundo de Deus”, estão lutando pela preservação ambiental, tentando tornar o planeta um lugar melhor para se viver, até que venha a “libertação futura” anunciada por Paulo no verso 21 de Romanos 8.

Para saber sobre greenpeace:
http://www.greenpeace.org/brasil

terça-feira, 16 de março de 2010

Escola dos Sonhos 3- a arte como elemento humanizador


















(Clique sobre a imagem para ler história produzida por uma das alunas, isso nos idos de 2001)



Ontem tive o privilégio de mais uma vez ouvir e ver Rubem Alves. O programa Sempre um Papo lançou em BH seu mais novo livro infantil sobre reis, ratos pássaros e urubus, no grande Teatro do Palácio das Artes. A entrada foi quase franca, exigindo apenas a doação de um livro, novo ou usado. Levei um daqueles livros de reflexões com base em um verso bíblico chamado "pão diário". Não aia perder a chance de compartilhar sonhos. Por que conto isso? Porque nas minhas reflexões sobre a escola dos sonhos a arte está presente nos, fazendo mais sensíveis, mais pensantes por isso mais humanos. Porque ela nos coloca num estado de encantamento diante da vida. Transporta-nos no tempo e no espaço. Uma palavra apenas, pode atiçar nossas lembranças, tocando nosso corpo e alma nos fazendo chorar ou rir, remetendo-nos ao tempo de infância, a um cheiro sentido, a uma ocasião especial. E quando somos tocados pela fruição da arte somos também tocados pela sua produção. Não falo dela pensando em autores consagrados. Falo dela como o prazer que pessoas simples têm de registrar seus pensamentos mais belos, românticos, sensíveis e muitas vezes inúteis, diante do sentido que damos à palavra utilidade.



E nesse momento de reflexão sou remetida há um tempo em que trabalhei com um mesmo grupo de alunos em duas oficinas de artes, simultaneamente: artes plásticas e literária. Duas vezes por semana nos refugiávamos no reino da criatividade, onde a realidade se misturava com o sonho, onde todo o querer se transformava em poder porque estávamos vivendo o encantamento do fazer artístico.



O resultado do trabalho foi uma mostra com exposição e apresentação de contação de histórias, numa profusão de cores, de objetos e mistura de palavras escritas e faladas.



É possível que nem todos tenham percebido, mas estávamos envoltos pelo encantamento da arte numa escola de sonhos.
Veja os vídeos produzidos das entrevistas com os autores que já passaram pelo "Sempre um Papo"

segunda-feira, 15 de março de 2010

Escola dos Sonhos 2 - a arte como elemento de possibilidades















A Escola dos Sonhos tem a arte como aliada, porque reconhece sua importância no contexto do desenvolvimento humano e social. Quem não é produtor de arte é seu fruidor ou usufruidor. Querendo ou não estamos cercados por ela. Alguém desenhou nossa casa, nossos móveis, nossa roupa. Muitas profissões estão, direta ou indiretamente relacionadas à arte comercial e de propaganda: outdoors, cinema, vídeo, publicação de livros e revistas, cenários, decoração, design para moda e indústria têxtil etc. etc. O trabalho com materiais de arte é de fundamental importância para o desenvolvimento das capacidades de produção-apreciação que constitui a experiência significativa em qualquer área.
Da mesma forma que é importante para o desenvolvimento profissional, o é para o desenvolvimento emocional. Quanto mais a criança se afirma através da produção artística, mais se comunica com os demais, muitas delas tímidas se surpreendem resolutas e desembaraçadas.
A Unidade do Colégio Batista Mineiro em Nova Contagem- Contagem Minas Gerais, sabe da importância da arte para seus alunos. Por esta e outras razões é uma escola de sonhos. E só para relembrar, em 28 de junho de 2003 foi realizado em suas dependências com a aquiescência de sua Coordenadora Pedagógica Rozi Meire Gonçalves um sábado cultural composto de oficinas de arte oferecidas aos familiares dos alunos. Foi um momento de experiência dos adultos com o “Fazer Artístico”, tendo como monitoras as alunas do curso de Educação Religiosa do então Seminário Teológico Batista Mineiro.

domingo, 14 de março de 2010

Escola dos Sonhos 1

A Escola dos Sonhos não precisa necessariamente de prédios ou edifícios para seu funcionamento. Precisa sim, de pessoas comprometidas com o bem. Pessoas que transmitam com criatividade o amor de Deus em Jesus Cristo, para a salvação eterna no céu e vida abundante na terra. Esta é a sua visão: sonho que antecipa o futuro em imagens mentais, vistas ainda no campo das idéias. No campo da fé descrita pelo autor do livro aos Hebreus 11.1 “... É a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos.
Qualquer pessoa em qualquer lugar do planeta que comunga com a visão da Escola dos Sonhos pode ser seu professor e começar a espalhar o bem, pois a única graduação exigida é a submissão à vontade de Deus e a coragem de correr riscos variados por amar e demonstrar que ama. Um amor que envolve Deus, você e o próximo. Outras qualificações e capacitações virão com o tempo. O mais importante é que na Escola dos Sonhos você pode ser professor a partir de agora.
Reflexão: O bem precisa ser ensinado e aprendido, porque o mal já faz parte da natureza decaida do ser humano. (Senhorinha)

sábado, 13 de março de 2010

Novas unidades para a "Escola dos Sonhos"



As mazelas da realidade me fizeram refletir sobre a “escola da maldade”, que tem sua atuação ampliada e penetrante. Está presente em cada canto do planeta e penetra lar adentro pelos jogos eletrônicos, programas de TV e atitudes negativas de adultos responsáveis por crianças. O conteúdo “maldade” está presente nos corações das pessoas desde a queda da humanidade através de Adão e Eva. Sem o amor, como contra ponto, a maldade se alastra, abrangendo os vários setores da sociedade. Até a escola formal, mesmo não querendo, pratica a maldade em que colegas agridem moral, emocional e fisicamente os mais fracos e os “diferentes”.

O que falta sabemos: é amor, (novas unidades da “Escola dos Sonhos”). Amor pleno a Deus expresso pelo físico (forças), intelecto (entendimento), e emoções (coração); amor a si mesmo e amor ao próximo. As pessoas não tem conseguido amar a Deus nem a si mesmas e por conseqüência não conseguem amar ao próximo, porque não podem oferecer o que não tem.

sexta-feira, 12 de março de 2010

Valores invertidos

Vejo a notícia na TV e fico embasbacada: "menina de três anos pega arma do pai em cima da mesa e dá um tiro na barriga". Como se não bastasse a estupidez do pai em deixar a arma sobre a mesa, a repórter, seguindo a notícia diz que o pai havia ensinado a filha a jogar um vídeo game em que se usa arma contra os personagens. (a escola da maldade)

Em seguida outra notícia me faz refletir: mulher de 51 anos encontra ladrão em sua casa, roubando seus pertences. Insanamente dá-lhe vários golpes, toma sua arma. O infeliz corre para pular o muro. A mulher dá a volta no quarteirão e pega o ladrão. Soca-lhe a cara no muro até que a polícia chega e o prende. A arma era de brinquedo (a escola da maldade)


Á noite leio a notícia de que as maldades de Rafaela na novela "Viver a Vida", da Rede Globo, chegaram ao Ministério Público do Rio de Janeiro, e Manoel Carlos pode ter que mudar o rumo de Klara Castanho na trama. A procuradora Maria Vitória Sussekind Rocha, responsável pelo caso, alegou que o papel da menina, de apenas 9 anos, pode influenciar seu próprio comportamento e de outras crianças. "O inquérito está sob sigilo. Todas as medidas cabíveis estão sendo adotadas. O objetivo é o bem-estar da menor. Interpretar uma vilã pode gerar danos psicológicos para a própria criança e para outras crianças que assistem à novela", disse. (aprendem a lição na escola da maldade)


Fico pensando em como os valores estão invertidos. O virtual e o real se misturam. Um está no jogo o outro está na mesa e a inocente criança usa o real como se fosse virtual e se fere realmente. (Não estava emocionalmente preparada para receber as lições da escola da maldade). Nossas crianças estão perdendo a infância. Brincar se tornou uma atividade perigosa.
A mídia exibe em rede nacional em horário nobre, diversão quase que de graça e acessível a quase todos neste Brasil imenso, uma personagem infantil com a maldade de um adulto.
Se por um lado as pessoas não suportam mais serem insultadas por bandidos que roubam e matam, sem serem punidos ao ponto de na ânsia de defender sua propriedade uma mulher franzina de 51 anos surpreender o ladrão tomar-lhe a arma, dar-lhe um boa surra e o entregar á polícia, por outro as crianças são introduzidas inescrupulosamente nas mazelas do mundo adulto, escola da maldade, por alguns pais e pela mídia. O círculo vicioso continua e continuará se não houver pessoas do bem que posssam interronpê-lo com a escola dos sonhos.

Veja a notícia completa no endereço abaixo http://yahoo.tecontei.com.br/noticias/mp-do-rio-abre-inquerito-para-proibir-maldades-de-rafaela-em-viver-a-vida-72788.html

quinta-feira, 11 de março de 2010

"Estou de volta pro meu aconchego"












De uma forma muito pessoal, foi maravilhoso o tempo em que estive na cidade de Uberlândia MG. Foi um ano singular: descansei, aprendi, ganhei novos amigos, transformei sonho antigo em realidade e nela pude contribuir de uma maneira diferente para a causa batista em Minas... Até conheci Caudas Novas e deixo aqui todo o meu agradecimento a quem de direito pelo privilégio do passeio.
Mas o que seria a vida se não fossem os imprevistos e os improvisos que nas mãos e uso de Deus, de uma forma linda, nos tira da zona de conforto, muitas vezes da mesmice, para nos abrir possibilidades inimagináveis...
Estou de volta pro meu aconchego": meus filhos, amigos, D. Diola e Sr. João, que ao se tornarem meus sogros se fizeram meus pais.
Na mala vem a saudade de todos os que conheci em Uberlândia e região. Foi muito bom pessoal mas sinto muito, melhor mesmo, é voltar pra casa.
Senhorinha

quarta-feira, 10 de março de 2010

À você mulher










Bem aventurada a mulher que cuida do próprio perfil interior e exterior, porque a harmonia da pessoa faz mais bela a convivência humana.

Bem aventurada a mulher que, ao lado do homem, exercita a própria insubstituível responsabilidade na família, na sociedade, na história e no universo inteiro.

Bem aventurada a mulher chamada a transmitir e a guardar a vida de maneira humilde e grande.
Bem aventurada quando nela e ao redor dela acolhe faz crescer e protege a vida.Bem aventurada a mulher que põe a inteligência, a sensibilidade e a cultura a serviço dela.

Bem aventurada a mulher que se empenha em promover um mundo mais justo e mais humano.

Bem aventurada a mulher que, dia após dia, com pequenos gestos, com palavras e atenções que nascem do coração, traça sendas de esperança para a humanidade.

Bem aventurada a mulher que, em seu caminho, encontra Cristo: escuta-O, acolhe-O, segue-O, como tantas mulheres do evangelho, e se deixa iluminar por Ele na opção de vida.

Autor desconhecido

terça-feira, 9 de março de 2010

Quem é você no corpo de Cristo?


Lida E. Knight ( Laida Naite) é bacharel em Comunicação pelo Muskingum College e fez um ano de Pós Graduação em Educação/Bíblia no Presbyterian School of Chistian Education.
Como missionária trabalhou durante quatro anos no Egito e está no Brasil há 38 anos. Foi fundadora e editora do Jornal “Louvor Perene”, periódico de Música Sacra que marcou presença na igreja evangélica brasileira de 1959 a 1980.
Seu livro quem é você no corpo de Cristo trata dos dons espirituais para serviço.
Vale apena conferir.

segunda-feira, 8 de março de 2010

Primeira mulher a ganhar o Oscar de melhor filme e direção

"Eu gostaria de dedicar isto às mulheres e aos homens no serviço militar que arriscam suas vidas diariamente no Iraque, Afeganistão e ao redor do mundo", disse Bigelow.
Essas foram as palavras de Kathryn Bigelow.

O interessante é que Guerra ao Terror trata da dura realidade que envolve milhares de pessoas em todo o mundo e não a leveza da ficção. É a arte da realidade. Um filme para refletir muito e não apenas para divertir.

Nesse dia internacional da mulher essa vitoria não pertence somente a Kathryn Bigelow.Foi dedicada a todos os soldados, homens e mulheres, e eu, sendo mulher, sentindo-me um pouco vitoriosa também, aproveito para falar das vitórias de todas as mulheres que enfrentam duras realidades em suas "guerras" e "terrores" cotidianos, mas que conseguem transformá-los em arte... a arte de decretar guerra à violência, à injustiça, à discriminção, enfim a todos os terrores que tiram a paz humana.

Leia mais.
http://br.noticias.yahoo.com/especiais/id_oscar

domingo, 7 de março de 2010

Lágrima de uma Esposa de Pastor

Clique sobre a imagem para ampliá-la e ler o texto.
Abraço carinhoso a todas as esposas de pastores nesse dia que foi escolhido para serem homenageadas.
Senhorinha

Anônimo disse...
Vejo que a Norma conseguiu expressar todo o sentimento vivido por esta mulher sem nome, mas indispensável em nossas igrejas.

sábado, 6 de março de 2010

Projeto Crescer Juntos







Aconteceu hoje o primeiro encontro dos participantes do projeto Crescer Juntos, extensão ABATRIM - Associação Batista do Triângulo Mineiro. O projeto é uma parceria do Comitê do Crescimento Cristão da Convenção Batista Mineira e ABATRIM, para ministração de um curso de preparação de líderes para ministério com crianças.
O curso iniciou-se com 10 participantes de 5 igrejas, (quatro de Uberlândia e uma de Araguari):

  • Igreja da Paz Minist. Luz para os Povos- 1

  • Igreja Batista Parque Granada- 2

  • Missão Batista Jardim Brasília-3

  • Igreja Batista Filadélfia-2

  • Igreja Batista Monte Sinal (Araguari)-2
As aulas do primeiro encontro, com duração de 7 horas, foram ministradas pelo Pastor e Psicólogo Wagno Alves Bragança sobre o assunto: Psicologia da Educação e Psicologia Religiosa, tratando dos estágios da fé na vida da criança.
Agradecemos a presença, apoio e participação da Coordenadora pedagógica do Colégio Batista Mineiro em Uberlândia Professora Jesiane, do Capelão Professor Gilmar Tadeu e do Presidente da ABATRIM Pastor Ramom Márcio da igreja batista Parque Granada.
O próximo encontro será no mesmo local ( Colégio Batista em Uberlândia) com tema: Recursos audiovisuais, com aulas ministradas pela professora de Arte do Batista senhora Enilce e pelo Professor de Multimídia Pastor Nunes na data de 20/03/2010 de 8 horas às 12 horas e de 13horas às 16 horas.
Nosso desejo e esforço é para que o grupo permaneça até o fim do curso, ( julho de 2010) que seja enriquecido com os conhecimentos adquiridos e que enriqueça o ministério nas igrejas no cumprimento de sua missão.
Comunicamos a todos que o encontro do dia 03 de abril foi cancelado devido ao feriado prolongado da semana chamada santa. A data seguinte do encontro será em 17 de abril novamente com os professores: Enilce e Nunes.
Equipe do projeto crescer juntos.

sexta-feira, 5 de março de 2010

PROJETO DE LEI Nº 32/2006 Concede Título de Cidadã Tocantinense a Missionária MARGARIDA LEMOS GONÇALVES







A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO
TOCANTINS decreta:

Art. 1º. Fica concedido o Título de Cidadã Tocantinense à Missionária MARGARIDA LEMOS GONÇALVES da Junta de Missões Nacionais da Convenção Batista Brasileira.
Art. 2º . Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Sala das Sessões, aos 13 dias do mês de junho de 2006.
ELI BORGES
Deputado Estadual

JUSTIFICATIVA

Margarida Lemos Gonçalves nasceu em 5 de fevereiro de 1927, em Vitória, capital do Espírito Santo. Seus pais, D. Filhinha e Pr. Almir; seus irmãos Fanny, Aracy, Alice, Carrie, Etta e Almir, representam uma família cristã de destaque no meio evangélico em terras capixabas.
Criada em lar piedoso, aprendeu desde cedo a amar e adorar o Deus Todo Poderoso, procurando crescer na graça e no conhecimento do Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Sua infância foi marcada por dificuldades, pois quando ainda pequena sua saúde se agravou e o prognóstico médico não foi nada favorável: a pequena Margarida teria apenas sete anos de
vida. Porém, como Deus tem propósito na vida de cada pessoa, as orações foram feitas e a sua vida prolongada, para a Glória do Altíssimo.

Margarida Lemos Gonçalves estudou no Colégio Batista de Vitória do jardim de infância até o curso científico. Graduou-se em Licenciatura Plena em Pedagogia na Universidade Federal do
Pará e em Educação Religiosa no Seminário do Sudoeste dos Estados Unidos, Forth Worth, Texas, onde se especializou em Educação Infantil.

Aos 15 anos, ouvindo o testemunho de missionários, sentiu-se chamada por Deus para o trabalho missionário. No dia 4 de novembro de 1948 deixou o seu lar, seus amigos e sua querida
Igreja Batista de Itacuruçá, no Rio de Janeiro, seguindo para o campo missionário.

Foi comissionada para o Instituto Teológico Batista de Carolina, no Estado do Maranhão, onde exerceu a missão de relevante e inestimável valor no preparo de jovens vocacionados para o
ministério da pregação do Evangelho de Cristo Jesus. Naquela localidade, fundou uma Escola de Alfabetização que ficou conhecida como a “Escola dos Pés Descalços”. Hoje essa escola é muito
bonita, tem muitos alunos e recebeu o nome da sua fundadora. Em 1950, chega à Tocantínia, concretizando seu sonho de menina, vindo trabalhar ao lado da missionária Beatriz Silva, no
Colégio Batista daquela cidade, onde dedicou grande parte da sua vida, exercendo as atividades de Diretora do Internato e professora.

Em 1968, recebeu o Título de Cidadã Honorária de Tocantínia pelos relevantes serviços prestados àquela cidade onde trabalhou por mais de 35 anos ininterruptos.

ANO XVII PALMAS, SEXTA-FEIRA, 23 DE JUNHO DE 2006 DIÁRIO DA ASSEMBLÉIA Nº 1484 6
Como missionária, desbravava os sertões indo a lugarejos distantes, onde somente a cavalo se podia chegar. Suas férias escolares eram gastas abrindo frentes missionárias, implantando
igrejas, realizando Escolas Bíblicas, cursos de liderança, sempre ao lado da pioneira Beatriz Silva.

Em 1986 aceitou o convite do Colégio Batista de Santarém, no Pará, para atuar como diretora. Lá, em razão da contribuição doseu trabalho e dedicação, deixou marcas indeléveis nos corações
dos alunos, da Igreja local e da comunidade. Contudo, o coração da missionária Margarida ainda batia forte pelo antigo norte do Estado de Goiás.

Quando o Estado do Tocantins foi criado, foi convocada pela Junta de Missões Nacionais, estando presente aos eventos pioneiros do aludido Estado.

Pelo seu valor e capacidade, foi convidada pelo governo instalado a dar atendimento aos encargos de implantação do Sistema Estadual de Educação, vindo a ocupar a presidência do Conselho
Estadual de Educação por mais de 6 anos.

A Missionária Margarida Lemos Gonçalves é membro fundadora da Academia Tocantinense de Letras, ocupando a presidência da mesma por dois anos. Também ocupou o cargo de Diretora de
Ensino do Município de Palmas e Assessora da Secretaria Municipal de Educação de Palmas, tendo recebido em 1998 o título de Cidadã Palmense, outorgada pela Câmara Municipal de Palmas.

No Conselho Municipal de Educação de Palmas, ocupa o cargo de Vice-Presidente e, como missionária, atua até hoje na Direção-Geral do Colégio Batista de Palmas onde continua influenciando muitas pessoas com o seu testemunho de vida cristã.

Mas a Missionária Margarida Lemos não é apenas uma experiente detentora de importantes cargos na vida eclesiástica e de boa formação intelectual, é, sobretudo, uma cidadã de probidade
acentuadamente perceptivel a todos os que testemunharam e testemunham a sua trajetória. Aliás, a sua caminhada tem inspirado outros cidadãos e cidadãs a se apegarem à boa conduta
como regra divina para uma vida melhor. Por estas e por muitas outras razões que poderiam aqui serem mencionadas, estou certo de que conferir o Título de Cidadania Tocantinense à Missionária Margarida Lemos é muito mais do reconhecer o valor e a nobreza dessa extraordinária mulher, é sobretudo promover o engrandecimento do nosso querido Estado pelo
exemplo de vidas de pessoas de tal estirpe que aqui vivem.

Conclamo os nobres pares desta Casa de Leis a aprovação do presente Projeto de Lei.
Sala das Sessões, aos 13 dias do mês de junho de 2006.

quinta-feira, 4 de março de 2010

Cora Coralina















(clique na imagem para ler o pema)

Com um estilo pessoal, ela foi poetisa e uma grande contadora de histórias das coisas de sua terra. A espontaneidade, o cotidiano e as imagens que retratam o povo do seu Estado, costumes e sentimentos, são temas constantes de suas publicações. Assim, sua obra é considerada por vários autores um registro histórico-social do século 20, especialmente da região do serrado do Centro-Oeste brasileiro, onde nasceu e morreu.

Em 1903 já escrevia poemas sobre seu cotidiano, tendo criado, juntamente com duas amigas, em 1908, o jornal de poemas femininos "A Rosa". Era chamada Aninha da Ponte da Lapa e trabalhou como doceira, na cozinha da Casa da Ponte, produzindo seus versos ao pé do fogão. Considerava os doces cristalizados de caju, abóbora, figo e laranja, que encantavam os vizinhos e amigos, obras melhores do que os poemas escritos em folhas de caderno.

Virou Cora Coralina pois o pseudônimo era uma exigência para disfarçar a escritora, já que naquela época moça prendada não perdia tempo com manuscritos. O amor às letras foi o sustentáculo dessa mulher. Mesmo sofrendo preconceitos e dissabores ao longo da vida - que a atrasaram, mas não a impediram - ela decolou no mundo das palavras.
NÃO SEI…
Não sei… se a vida é curta…

Não sei…
Não sei…
Se a vida é curta
ou longa demais para nós.

Mas sei que nada do que vivemos
tem sentido,
se não tocarmos o coração das pessoas.

Muitas vezes basta ser:
colo que acolhe,
braço que envolve,
palavra que conforta,
silêncio que respeita,
alegria que contagia,
lágrima que corre,
olhar que sacia,
amor que promove.

E isso não é coisa de outro mundo:
é o que dá sentido à vida.

É o que faz com que ela
não seja nem curta,
nem longa demais,
mas que seja intensa,
verdadeira e pura…
enquanto durar.

quarta-feira, 3 de março de 2010

Eleanor Roosevelt - a defesa dos mais fracos


“...Eleanor transformou-se de uma dona-de-casa numa ativista dos direitos, com um caráter ativo, não mais uma mera espectadora conquistando mesmo um lugar entre as ativistas feministas no Partido Democrático, nas eleições de 1920.

...professora numa escola que ela mesma criara para jovens carentes. Gerente de uma fábrica que montou para os desempregados, lutou pela igualdade de direitos civis num momento em que este assunto não estava na pauta. O presidente Truman, ciente de seu talento a nomeou presidente da Comissão das Nações Unidas, encarregada de elaborar o texto da Declaração Universal dos Direitos do Homem, em 1947. Sob sua tutela humanitária, no dia 10 de dezembro de 1948, foi adotada a Declaração Universal, sem nenhum voto contrário. Neste documento, um dos mais importantes de todos os tempos, base das Constituições de sessenta países, estão escritas as palavras que, até hoje, tanto desejamos que se tornem realidade: “Todos os homens nascem livres e iguais em dignidade e direitos”.

Na Segunda Guerra Mundial, voou dezenas de milhares de milhas para levar carinho aos soldados americanos e, ao convencer o marido a se envolver, ajudou muitos judeus a fugir da perseguição de Hitler. Eleanor Roosevelt, a mais amada primeira-dama, abraçou causas que motivam os ativistas de hoje:
  • direitos das mulheres,
  • direitos civis para os afro-americanos e
  • direitos humanos internacionais.
Foi chamada de “a consciência da administração Roosevelt e a face humana do New Deal”. Morreu a 7 de Novembro em 1962, na cidade de Nova Iorque”.
http://www.mulherportuguesa.com/index.php?option=com_content&view=article&id=3363&catid=179:na-historia&Itemid=3919 http://images.google.com.br/imgres?imgurl=http://1.bp.blogspot.com/_Nk9_ZM-I7bg/SS2zSErJTlI/AAAAAAAABys/kI_NK4wALks/s400/Eleanor_Roosevelt_with_Fala_2.jpg&imgrefurl=http://textosdetherezapires.blogspot.com/2008_10_29_archive.html&usg=__zhQId27r_qIc68RxOFPQmJjPvJA=&h=337&w=360&sz=52&hl=pt-BR&start=4&um=1&itbs=1&tbnid=BmZTF4_JVeaOXM:&tbnh=113&tbnw=121&prev=/images%3Fq%3Dhist%25C3%25B3ria%2Bde%2Beleanor%2Broosevelt%26um%3D1%26hl%3Dpt-BR%26sa%3DN%26tbs%3Disch:1

terça-feira, 2 de março de 2010

Dia Internacional da mulher



(Clique sobre a imagem para ler)


No Dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, situada na cidade norte americana de Nova Iorque, fizeram uma grande greve para algumas reivindicações:

  • redução na carga diária de trabalho para dez horas (as fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário),

  • equiparação de salários com os homens (as mulheres chegavam a receber até um terço do salário de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho)

  • tratamento digno dentro do ambiente de trabalho. A resposta foi uma violência ainda maior.
As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, num ato totalmente desumano. Em 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o “Dia Internacional da Mulher”, em homenagem as mulheres que morreram na fábrica em 1857 e em 1975, através de um decreto, a data foi oficializada pela ONU (Organização das Nações Unidas).

segunda-feira, 1 de março de 2010

França testará pulseira eletrônica em homens que praticam violência contra mulheres

Anúncio foi feito pelo primeiro-ministro francês, François Fillon, no Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres.

O primeiro-ministro da França, François Fillon, anunciou na quarta-feira (25 de fevereiro 2010) que o país testará a partir de 2010 uma pulseira eletrônica que monitora maridos e companheiros violentos. A medida segue o exemplo da Espanha, onde o dispositivo já é utilizado em 12000 homens."Com base no exemplo espanhol, vamos lançar a experiência de um dispositivo de vigilância eletrônico para controlar cônjuges violentos", acrescentou Fillon. Além disso, comportamentos tipificados como “violência psicológica contra a mulher” serão considerados crimes na França. "Em matéria penal, o delito de violência psicológica doméstica será consagrado na legislação", declarou Fillon, em discurso pronunciado no Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres, comemorado na quarta. Em 2008, na França, 157 mulheres morreram vítimas de maus-tratos por parte de maridos ou companheiros.

http://www.istoe.com.br/conteudo/15751_FRANCA+TESTARA+PULSEIRA+ELETRONICA+QUE+COMBATE+VIOLENCIA+CONTRA+MULHERES