terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Ser consagrada pastora para fazer o trabalho de educadora


Em minhas buscas sobre o assunto: mulheres vocacionadas ao ministério encontrei o blog da Pastora Zenilda. Fiquei impressionada com o que ela diz sobre sua experiência. A seguir transcrevo algumas de suas palavras e faço uma analise delas.

“Sou pastora desde 04 de abril de 2004. Fui ordenada pela IBAC - Igreja Batista Curuçá, em Santo André, SP, e desde então atuo na área de educação cristã, chamada Base Crescer, e ajudo o meu marido, Pr. Fernando Cintra, na coordenação geral dos ministérios ...Fui estudar no então IBER, hoje CIEM...”

Analisemos duas frases da pastora Zenilda: Primeira: desde então atuo na área de Educação Cristã”... Segunda, “fui estudar no IBER, hoje CIEM”.

Raciocino: Zenilda estudou no IBER saiu de lá educadora cristã e desde que foi consagrada pastora atua na Educação Cristã de sua igreja. Pergunto: precisava ser consagrada pastora para atuar na Educação Cristã da igreja e criar uma polêmica que se arrasta até hoje na Convenção Batista Brasileira? Não poderia atuar na Educação Cristã e ajudar o marido na direção dos ministérios sendo educadora?

Concluo: Por uma questão de inteligência e lógica é melhor reconhecer as educadoras do que polemizar tanto para titular pastoras, que continuarão fazendo o trabalho de educadoras nas suas igrejas.
Senhorinha

Um comentário:

  1. Bem como conheço a pastora Zenilda, afirmo peremptoriamente que a sua leitura, nãos e atanetou ao fato da mesma ser responsável e pastorear grupos específicos na IBAC. A mesma pastorea mulheres, e todos que estão na BAse de sua re´ponsabilidade com uma competência que ví em poucos pastores do sexo masculino.

    Ademais, a posição de termos pastores ocupando cargos de educação Crista nas igrejas já é bem comum. existe um preconceito no declarado na frase, pois se um pastor do sexo masculino ocupar tal cargo, por que não tirá-lo do rol da OPB e colocá-lo num rol de educadores cristos?

    A questão não é simplesmente ter uma roca de moeda (dar uma denominação para mulheres e outra para homens), mas sim reconhecer que em Deus não há dierenciação de generos para que o mesmo dê dons ao seu povo.

    Como disse uma vez, pastor não é genero é chamado. e no caso de nossas pastoras (Zenilda e Érica) isto pode ser verificado conhecendo sua atuaço, empenho e desenvoltura neste ministério.

    Waner Lenke

    ResponderExcluir