domingo, 26 de dezembro de 2010

curriculo jovens e adultos- JUERP 2011 A 2018

Tema dos estudos da Escola Bíblica Dominical para o ano de 2011:
Jovens e Adultos
Primeiro Trimestre-janeiro - março: Os livros poéticos (Salmos)
Segundo Trimestre-abril - junho: As Cartas de Paulo II (Aos Coríntios)
Terceiro Trimestre-julho - setembro: O Ministério Cristão
Quarto Trimestre-outubro - dezembro: Profetas Menores II (Miquéias, Naum, Sofonias, Zacarias e Malaquias).

Desejando ver os temas dos estudos para os outros anos, dê um clique duplo na imagem abaixo.

Obs. Apartir de 2013 os temas podem sofrer alterações devido à implantação do Novo Plano Diretor para a Educação Religiosa Batista Brasileira  em estudo pelo Departamento de Educação Religiosa da Convenção Batista Brasileira.

Jovens e Adultos

para ampliar dê duplo cique sobre a imagem

Adoslescentes

Primeiro Trimestre-janeiro - março: Doutrinas Bíblicas
Segundo Trimestre-abril - junho: Atualidades dos Profetas Menores
Terceiro Trimestre-julho - setembro: A história da salvação (Mateus a Apocalipse)
Quarto Trimestre-outubro - dezembro: Fé e comportamento ( A Epístola de Tiago)


Crianças e Juniores


cordel de natal



Fonte: Youtube

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Musicas infantils de natal

Veja no blog

Tributo ao professor Kassio Vinícius Castro Gomes

 « Mon devoir est de parler,

je ne veux pas être complice.
(Émile Zola)


Foi uma tragédia fartamente anunciada. Em milhares de casos, desrespeito. Em outros tantos, escárnio. Em Belo Horizonte, um estudante processa a escola e o professor que lhe deu notas baixas, alegando que teve danos morais ao ter que virar noites estudando para a prova subsequente. (Notem bem: o alegado “dano moral” do estudante foi ter que... estudar!).

A coisa não fica apenas por aí. Pelo Brasil afora, ameaças constantes. Ainda neste ano, uma professora brutalmente espancada por um aluno. O ápice desta escalada macabra não poderia ser outro.

O professor Kássio Vinícius Castro Gomes pagou com sua vida, com seu futuro, com o futuro de sua esposa e filhas, com as lágrimas eternas de sua mãe, pela irresponsabilidade que há muito vem tomando conta dos ambientes escolares.

Há uma lógica perversa por trás dessa asquerosa escalada. A promoção do desrespeito aos valores, ao bom senso, às regras de bem viver e à autoridade foi elevada a método de ensino e imperativo de convivência supostamente democrática.

No início, foi o maio de 68, em Paris: gritava-se nas ruas que “era proibido proibir”. Depois, a geração do “não bate, que traumatiza”. A coisa continuou: “Não reprove, que atrapalha”. Não dê provas difíceis, pois “temos que respeitar o perfil dos nossos alunos”. Aliás, “prova não prova nada”. Deixe o aluno “construir seu conhecimento.” Não vamos avaliar o aluno. Pensando bem, “é o aluno que vai avaliar o professor”. Afinal de contas, ele está pagando...

E como a estupidez humana não tem limite, a avacalhação geral epidêmica, travestida de “novo paradigma” (Irc!), prosseguiu a todo vapor, em vários setores: “o bandido é vítima da sociedade”, “temos que mudar ‘tudo isso que está aí’; “mais importante que ter conhecimento é ser ‘crítico’.”

Claro que a intelectualidade rasa de pedagogos de panfleto e burocratas carreiristas ganhou um imenso impulso com a mercantilização desabrida do ensino: agora, o discurso anti-disciplina é anabolizado pela lógica doentia e desonesta da paparicação ao aluno – cliente...

Estamos criando gerações em que uma parcela considerável de nossos cidadãos é composta de adultos mimados, despreparados para os problemas, decepções e desafios da vida, incapazes de lidar com conflitos e, pior, dotados de uma delirante certeza de que “o mundo lhes deve algo”.

Um desses jovens, revoltado com suas notas baixas, cravou uma faca com dezoito centímetros de lâmina, bem no coração de um professor. Tirou-lhe tudo o que tinha e tudo o que poderia vir a ter, sentir, amar.

Ao assassino, corretamente , deverão ser concedidos todos os direitos que a lei prevê: o direito ao tratamento humano, o direito à ampla defesa, o direito de não ser condenado em pena maior do que a prevista em lei. Tudo isso, e muito mais, fará parte do devido processo legal, que se iniciará com a denúncia, a ser apresentada pelo Ministério Público. A acusação penal ao autor do homicídio covarde virá do promotor de justiça. Mas, com a licença devida ao célebre texto de Emile Zola, EU ACUSO tantos outros que estão por trás do cabo da faca:

EU ACUSO a pedagogia ideologizada, que pretende relativizar tudo e todos, equiparando certo ao errado e vice-versa;

EU ACUSO os pseudo-intelectuais de panfleto, que romantizam a “revolta dos oprimidos”e justificam a violência por parte daqueles que se sentem vítimas;

EU ACUSO os burocratas da educação e suas cartilhas do politicamente correto, que impedem a escola de constar faltas graves no histórico escolar, mesmo de alunos criminosos, deixando-os livres para tumultuar e cometer crimes em outras escolas;

EU ACUSO a hipocrisia de exigir professores com mestrado e doutorado, muitos dos quais, no dia a dia, serão pressionados a dar provas bem tranqüilas, provas de mentirinha, para “adequar a avaliação ao perfil dos alunos”;

EU ACUSO os últimos tantos Ministros da Educação, que em nome de estatísticas hipócritas e interesses privados, permitiram a proliferação de cursos superiores completamente sem condições, freqüentados por alunos igualmente sem condições de ali estar;

EU ACUSO a mercantilização cretina do ensino, a venda de diplomas e títulos sem o mínimo de interesse e de responsabilidade com o conteúdo e formação dos alunos, bem como de suas futuras missões na sociedade;

EU ACUSO a lógica doentia e hipócrita do aluno-cliente, cada vez menos exigido e cada vez mais paparicado e enganado, o qual, finge que não sabe que, para a escola que lhe paparica, seu boleto hoje vale muito mais do que seu sucesso e sua felicidade amanhã;

EU ACUSO a hipocrisia das escolas que jamais reprovam seus alunos, as quais formam analfabetos funcionais só para maquiar estatísticas do IDH e dizer ao mundo que o número de alunos com segundo grau completo cresceu “tantos por cento”;

EU ACUSO os que aplaudem tais escolas e ainda trabalham pela massificação do ensino superior, sem entender que o aluno que ali chega deve ter o mínimo de preparo civilizacional, intelectual e moral, pois estamos chegando ao tempo no qual o aluno “terá direito” de se tornar médico ou advogado sem sequer saber escrever, tudo para o desespero de seus futuros clientes-cobaia;

EU ACUSO os que agora falam em promover um “novo paradigma”, uma “ nova cultura de paz”, pois o que se deve promover é a boa e VELHA cultura da “vergonha na cara”, do respeito às normas, à autoridade e do respeito ao ambiente universitário como um ambiente de busca do conhecimento;

EU ACUSO os “cabeça – boa” que acham e ensinam que disciplina é “careta”, que respeito às normas é coisa de velho decrépito,

EU ACUSO os métodos de avaliação de professores, que se tornaram templos de vendilhões, nos quais votos são comprados e vendidos em troca de piadinhas, sorrisos e notas fáceis;

EU ACUSO os alunos que protestam contra a impunidade dos políticos, mas gabam-se de colar nas provas, assim como ACUSO os professores que, vendo tais alunos colarem, não têm coragem de aplicar a devida punição.

EU VEEMENTEMENTE ACUSO os diretores e coordenadores que impedem os professores de punir os alunos que colam, ou pretendem que os professores sejam “promoters” de seus cursos;

EU ACUSO os diretores e coordenadores que toleram condutas desrespeitosas de alunos contra professores e funcionários, pois sua omissão quanto aos pequenos incidentes é diretamente responsável pela ocorrência dos incidentes maiores;

Uma multidão de filhos tiranos que se tornam alunos -clientes, serão despejados na vida como adultos eternamente infantilizados e totalmente despreparados, tanto tecnicamente para o exercício da profissão, quanto pessoalmente para os conflitos, desafios e decepções do dia a dia.

Ensimesmados em seus delírios de perseguição ou de grandeza, estes jovens mostram cada vez menos preparo na delicada e essencial arte que é lidar com aquele ser complexo e imprevisível que podemos chamar de “o outro”.

A infantilização eterna cria a seguinte e horrenda lógica, hoje na cabeça de muitas crianças em corpo de adulto: “Se eu tiro nota baixa, a culpa é do professor. Se não tenho dinheiro, a culpa é do patrão. Se me drogo, a culpa é dos meus pais. Se furto, roubo, mato, a culpa é do sistema. Eu, sou apenas uma vítima. Uma eterna vítima. O opressor é você, que trabalha, paga suas contas em dia e vive sua vida. Minhas coisas não saíram como eu queria. Estou com muita raiva. Quando eu era criança, eu batia os pés no chão. Mas agora, fisicamente, eu cresci. Portanto, você pode ser o próximo.”

Qualquer um de nós pode ser o próximo, por qualquer motivo. Em qualquer lugar, dentro ou fora das escolas. A facada ignóbil no professor Kássio dói no peito de todos nós. Que a sua morte não seja em vão. É hora de repensarmos a educação brasileira e abrirmos mão dos modismos e invencionices. A melhor “nova cultura de paz” que podemos adotar nas escolas e universidades é fazermos as pazes com os bons e velhos conceitos de seriedade, responsabilidade, disciplina e estudo de verdade.

Igor Pantuzza Wildmann
Advogado – Doutor em Direito. Professor universitário.



Fonte: Didakeh















quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

MEC vai distribuir KIT GAY nas Escolas?

Motivos pelos quais as mulheres são alvos fáceis para atos de violência fora de casa.


a. Falta de atenção – Por isso tenha consciência de onde você está e do que está acontecendo em sua volta.

b. Linguagem do corpo - Mantenha sua cabeça erguida, e permaneça em posição ereta, jamais  tenha uma postura "frágil".

c. Lugar errado, hora errada - NÃO ande sozinha em ruas estreitas, nem dirija em bairros mal-afamados à noite.

d. Hábito de ser prestativas - As mulheres, estão sempre procurando ser prestativas. Essa característica é perigosa.  Um assassino seqüencial, homem de boa aparência, com boa formação acadêmica, declarou em seu depoimento que SEMPRE explorava a simpatia e o espírito condescendente das mulheres. Ele andava com uma bengala ou mancava, e  conseqüentemente pedia ajuda para entrar ou sair de seu carro, e era nesse momento que ele raptava suas vítimas.

Dicas importantes
1.   NUNCA deixe para procurar as chaves do seu carro, quando estiver parada em frente a porta dele. Dirija-se ao veículo com a chave em punho, pronta para abrir a porta e dar a partida. Observe os carros ao lado do seu. (Isso vale para a chave  de sua casa também).

2.   Se ao lado da porta do motorista do seu carro, estiver estacionada uma Van Grande, entre em seu carro pela porta do passageiro. A maioria dos assassinos que matam em seqüência atacam suas vítimas empurrando-as ou puxando-as para dentro de suas Vans na hora em que as mulheres estão tentando entrar em seus carros.    

3.   Se uma pessoa do sexo masculino estiver sentada sozinha no assento do carona do carro dela que FICA mais próximo do seu carro, você fará bem voltar para o shopping, ou para o local de trabalho, e pedir a um segurança ou policial para acompanhá-la você até seu carro.

4.   No momento em que você entrar em seu carro, trave as portas e vá embora, não fique ajeitando o cabelo, ou passando batom, fazendo anotações etc. Pode acontecer do bandido estar observando, entrar pelo lado do passageiro, colocar uma arma na sua cabeça, e dizer a você onde ir.

5.   Se um dia você for jogada dentro do porta-malas de um carro, chute os faróis traseiros até que eles saiam para fora, estique seu braço pelos buracos e comece a gesticular feito doida. O motorista não verá você, mas todo mundo verá. Isto já salvou muitas vidas.

6.   Use SEMPRE o elevador ao invés das escadas. (Escadarias são lugares horríveis para se estar só, são lugares perfeitos para um crime)

7.   Durante o dia, ande de óculos escuros. O agressor nunca saberá para onde você esta olhando.

8.   Celular: só em lugar seguro.

Fonte: autor desconhecido. Adpatação Senhorinha Gervásio




Direciono os leitores ao blog:




Senhorinha

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Igrejas viram cafés, livrarias pistas de dança e casa shows na Holanda


02 de novembro de 2010

Tida por especialistas em História do cristianismo como o “berço dos batistas”, a Holanda está seguindo uma tendência na Europa “pós-cristã”: transformar templos de igrejas, tanto Reformadas quanto Católicas, em cafés, livrarias, pistas de dança e casa de shows. Tamanha transformação é fruto de uma outra constatação: de acordo com pesquisa recente realizada naquele país, 44% da população se declararam ateus, 28% católicos, 19% protestantes, 5% muçulmanos e os outros 4% de outras religiões.

Mesmo com a maior parte da população ainda se declarando religiosa, o fato é que as igrejas do país estão cada vez mais vazias, fruto do esfriamento da fé e das relações com Deus que invade a Europa. Com o esvaziamento, não raro os imponentes templos, outrora cheios e com pregações pujantes, acabarem ganhando outro fim: viram café, livraria, salão de cabeleireiro, pista de dança, restaurante, casa de shows...

De acordo com o jornal The Guardian, da Inglaterra, alguns exemplos dessa mutação são o Café Olivier, em Utrecht, a livraria Selexyz, em Maastricht (apontada pelo mesmo jornal como a livraria mais bonita do mundo), a pista de dança do Hotel Arena, em Amsterdã, e a mais famosa casa de shows da capital holandesa, o Paradiso, uma igreja do século 19, próxima à Leidseplein, no coração da capital do país.

Visite também o blog:




quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Necessidade de Voluntários

A Biblioteca Pública de Belo Horizonte - Praça de Liberdade, nº. 21, Setor de Braille está necessitando de voluntários que possam fazer leitura de livros para pessoas portadoras de deficiência visual. 
Os horários, logicamente, são escolhidos pelos voluntários.

Os telefones de contato são: 3269 1218 e 3269 1221, pedir para transferir para o Setor de Braille.




terça-feira, 19 de outubro de 2010

2º FORUM DE EDUCAÇÃO CRISTÃ


No sábado dia 23 de outubro acontecerá em BH o 2º Forum de Educação Religiosa Batista,  com a presença do professor Lourenço Stélio Rega relator da Comissão que elaborou o Plano Diretor da Educação Religiosa da Convenção Batista Brasileira( PDER-CBB)

Esse plano visa solucionar a demanda das igrejas batistas em conservar sua identidade doutrinária e abrangerá toda a dinâmica da igreja, contemplando desde a parte administrativa até a educacional. 

Essa é uma oportunidade que os batistas mineiros e belorizontinos não devem perder. Minas Gerais será um dos pólos estratégicos para divulgação e implantação do PDER e a Convenção Batista Mineira responsável em ajudar as igrejas do Estado nessa missão.

Quem desejar ler o documento do PDER ele está em pdf no site da Convenção Batista Mineira no endereço abaixo.






segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Os quatro pilares da educação


A comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI, coordenada por Jacques Delors, apresentou um Relatório para a UNESCO: Os quatro pilares da educação. O Relatório está publicado em forma de livro no Brasil, com o título Educação: Um tesouro a Descobrir (UNESCO, MEC, Cortez Editora, São Paulo, 1999). Marcos Tuler (Abordagens e Práticas da Pedagogia Cristã. Rio de Janeiro. E Ed. CPAD, 2006) faz uma síntese do argumento: “...aqueles especialistas concluíram que, para agir eficazmente, o aluno do nosso tempo deve exibir certas competências imprescindíveis ao desenvolvimento do ser humano: aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a conviver e aprender a ser”.

Na Escola Bíblica Dominical, com certeza, esses princípios são sumariamente obedecidos pelos professores que ensinam a Palavra de Deus:

Aprendendo a conhecer na EBD – Para tal, o professor deve combinar sua cultura geral para trabalhar em profundidade um pequeno número de matérias, ou seja, aprender a aprender para beneficiar-se das oportunidades oferecidas pela educação ao longo de toda a vida. Deve o professor fazer uso das competências individuais de cada aluno da EBD para que eles se sintam participantes do processo de ensino-aprendizagem.

Aprendendo a fazer na EBD  Para tal, o professor deve ajudar seus alunos a trabalhar em equipe e envolvê-los em atividades práticas, em experiências sociais ou de trabalho voluntário. Na igreja, principalmente, nos ministérios de cunho social (trabalhos comunitários etc.), há plena possibilidade de relacionar teoria e prática.

Aprendendo a conviver na EBD- O ensino na Escola Bíblica deve priorizar a comunhão, o respeito, a igualdade de direitos e deveres, criando um ambiente de interdependência. Cada aluno, que faz parte do corpo (no caso, a classe), deve estar envolvido e ser participativo. Hoje, cada vez mais, precisaremos aprender a gerir os conflitos provocados pelos valores pluralistas e pelo desejo de expressão individual de cada um.

Aprendendo a ser na EBD- Um olhar para os conteúdos bíblicos que estudamos vai dar conta dessa construção do ser à luz da imagem de Deus em Cristo, nosso exemplo maior. É evidente que as palavras-chave aqui são autonomia, discernimento e responsabilidade pessoal. Mas, em nosso caso específico, como discípulos de Jesus, nossa personalidade é resultante, também, do esforço do Espírito em nos santificar e edificar para a glória de Deus.

Conhecer – Fazer – Conviver – Ser são, à luz da Bíblia, diretrizes para a educação cristã no século 21. Você está pronto para fazer a sua parte como facilitador da aprendizagem e, também, parte integrante dela? Que Deus o abençoe nesta importante tarefa.

A Deus toda a glória!

Extraído do jornal EBD outubro 2010 ano XXXII, nº 131, pág. 2






















segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Dia da criança- Turma do Printy

video

Ensino Bíblico às crianças: Nosso legado à nova geração

Os olhos de vários setores, principalmente o comercial estão voltados para as crianças. Milhões de dólares são investidos pelas fábricas de brinquedos e pela indústria do cinema, em desenhos animados de curta e longa metragem. Tudo para agradar as crianças. É claro que com isso agradam também aos pais, pois querem o melhor para os filhos - O melhor na educação e na diversão.

A igreja de Cristo tem nas mãos a maior de todas as oportunidades que alguém pode receber: a de ensinar as crianças o temor ao Senhor. Não só tem o melhor conteúdo, tem também os melhores professores. Mesmo aqueles que não passaram por uma graduação ou licenciatura, são os melhores. Porque são comprometidos com o Senhor da igreja. Se são comprometidos com o Senhor da igreja buscam o conhecimento e a sabedoria em Deus e em Pua palavra e o aperfeiçoamento metodológico em oficinas e cursos rápidos. São pessoas que amam e pastoreiam as crianças, ensinando-lhes os princípios da fé em Jesus com alegria, diversão, relevância. Porque sabem que ao aceitar a Cristo como salvador, uma criança tem a vida toda para Dele testemunhar. Porque sabem que alcançando a criança, alcança-se a família.

Pelo menos dois grandes pregadores do passado tinham as crianças como prioridade em seus ensinos. Um deles Charles H. Spurgeon (1834-1892), quando foi professor de crianças na Escola Bíblica viu muitos pais se converterem com o testemunho de seus filhos. O outro foi Dwight L. Moody que viveu de 1837 a 1899 nos Estados Unidos. Ele dedicou-se à Escola Bíblica Dominical. Seu ensino começou com 12 crianças e ele chegou a alcançar 12 mil delas. Uma vez após uma de suas pregações perguntaram-lhe quantas pessoas haviam se manifestado a Cristo. Ele respondeu que duas e meia. O interessante é que não foram dois adultos e uma criança, mas duas crianças e um adulto. A meia pessoa, de acordo com o grande pregador, era o adulto que tinha meia vida pela frente para servir e glorificar a Deus. Mas, as duas crianças tinham a vida toda.

A visão da importância das crianças para o reino de Deus, foi passada por Jesus aos primeiros discípulos e graças a Deus tem sido passada de geração a geração chegando até nós, igreja atual. Uma pesquisa realizada pela APEC (Aliança Pro Evangelização das Crianças) constatou que 85% dos evangélicos se converteu entre os 4 e 14 anos. Dos 15 aos 30 anos o percentual caiu para 10% e após os 30 anos, caiu ainda mais, 4%.
É inteligente a igreja que investe no ministério da educação cristã, em capacitação de professores e recursos didáticos. É inteligente a igreja que busca ajuda de um educador, para orientar sua equipe educacional, pois em suas muitas atividades pastorais, torna-se muito difícil para um pastor ser também um educador eficiente.

Este é o nosso tempo. Esta é a nossa geração. O ensino dos princípios cristãos com qualidade e relevância não só às crianças como aos adultos, deve ser o nosso legado.

Texto produzido por Senhorinha Gervásio a partir de informações contidas no livro “Pastoreando as crianças desta geração de Cláudia Guimarães, editora vida.



sexta-feira, 8 de outubro de 2010

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Segundo Forum de Educação Cristã - Belo Horizonte

Para ampliar a imagem dê duplo clique sobre a mesma

Tema:
O Plano Diretor da Educação Religiosa, sua relevância e aplicabilidade

Objetivos:

a) Elucidar as diretrizes e os princípios pedagógicos e filosóficos que dão sustentabilidade à proposta do Plano Diretor da Educação Religiosa Batista;

b) Discutir os novos rumos da Educação Religiosa Batista e relevância na Igreja contemporânea

c) Analisar crítica e criativamente, numa perspectiva globalizante, a aplicabilidade do Plano Diretor de Educação Religiosa à realidade de Minas Gerais;
 
Público Alvo:

Educadores religiosos, pastores, líderes de organizações missionárias, seminaristas, diretores e professores da EBD
 
Promoção do evento:
Convenção Batista Mineira (Comitê do Crescimento Cristão) e Faculdade Batista de MG.
 
Meta:
80 participantes
 
Metodologia:
• Inscrição
• 8:30 Devocional
• 8:45 Lourenço
• 10:30 -10:45 Coffee break – SBM
10:45 – 11:15 – levantamento de questões pelos participantes
• 11:15 - 12:30 - Resposta do Lourenço às questões levantadas.

No período da tarde:
14:00 – 15:30 – Elaboração de propostas e estratégias de plantação na Conveção Batista Mineira
15:30 – 16:30 – Elaboração do documento
Local do evento Colégio Betista Mineiro

inscrições no local


Três atitudes em relação as crianças

O evangelista Marcos no capítulo 10 versículos 13 a 16 assim narra um encontro que Jesus teve com alguns pais e suas crianças: “Alguns traziam crianças a Jesus para que Ele tocasse nelas, mas os discípulos os repreendiam. Quando Jesus viu isso, ficou indignado e lhes disse: ‘Deixem vir a mim as crianças, não as impeçam; pois o Reino de Deus pertence aos que são semelhantes a elas. Digo-lhes a verdade: Quem não receber o Reino de Deus como uma criança, nunca entrará nele’. Em seguida tomou as crianças nos braços, impôs-lhes as mãos e as abençoou.”

Nesta semana chamada semana da criança e do professor, proponho uma reflexão sobre três atitudes em relação as crianças apresentadas neste texto.

1º- ATITUDE DOS PAIS- Busca da bênção- “Bênção é o desejo expresso através de palavras proferidas, às vezes acompanhadas de alguma ação” (Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia). Por ela Jacó trapaceou seu irmão se fazendo passar por ele, e recebeu a bênção do pai que por direito pertencia ao filho mais velho Esaú. Mais tarde o mesmo Jacó, em luta com o Anjo do Senhor, mesmo tendo sido ferido na perna, não parou de lutar enquanto não foi por ele abençoado. Por causa dessa luta Deus mudou seu nome para Israel com a seguinte explicação: “porque você lutou com Deus e com homens e venceu”. Por último já na velhice Jacó ou Israel reuniu seus filhos e netos e proferiu a cada um as palavras abençoadoras. (Genesis 49.1-33). Visto que a nação hebréia se multiplicou a partir da linhagem de Jacó o nome Israel veio a significar a nação inteira.

Ser abençoado era algo de grande importância para os Israelitas. Fazia parte da cultura que as crianças pedissem a bênção aos pais e os discípulos aos mestres. De acordo com o autor do comentário expositivo Warren W. Wiersbe era costume também os pais levarem os filhos para serem abençoados pelos rabinos. E um dia alguns levaram suas crianças até Jesus para que ele as tocasse e as abençoasse.

2º- ATITUDE DOS DISCÍPULOS- impedimento- Os discípulos tentaram impedir que as crianças chegassem até onde estava Jesus. É certo que em algumas ocasiões grandes multidões se aglomeravam ao redor dele. É até compreensível que se preocupassem com sua proteção. Parece que se preocupavam também com o excesso de trabalho a que Jesus era submetido diariamente, porque em outras ocasiões eles tiveram a mesma postura. Quando a mulher Cananéia, seguindo a Jesus implorava, que curasse sua filha, os discípulos, incomodados com seus gritos, sugeriram a Ele que a mandasse embora (Mateus 15.23). Em outra ocasião quando se viram apertados por não ter o que oferecer à multidão faminta fizeram o mesmo, sugerindo a Jesus que mandasse a multidão embora (Marcos 6.36).

Se os discípulos conheciam o costume de pais levarem filhos aos rabinos para serem abençoados, por que tentaram impedir que as crianças chegassem até Jesus? Esse fato nos causa uma certa estranheza porque era de se esperar que os discípulos soubessem que Jesus era mais que um grande rabino. Por todos os sinais que já haviam presenciado, deveriam saber que Jesus era o Filho de Deus o Messias. Que a bênção dele àquelas crianças era de grande significado para suas famílias. Mas mesmo assim tentaram impedir o encontro.

3º- ATITUDE DE JESUS- acolhimento- Jesus ao perceber o que acontecia às crianças indignou-se com os discípulos, repreendendo-os publicamente por impedirem o acesso delas a Ele. Em seguida anunciou que as crianças eram melhores exemplos do reino do que os adultos. Uma criança é exemplo na maneira humilde de depender dos adultos e pela fé aceita sua situação, confiando eles cuidarão dela. Diante de Deus somos como crianças indefesas, desamparadas, incapazes de nos salvar. Somos totalmente dependentes da misericórdia e da graça de Deus. O adulto que não agir humildemente na dependência da graça de Deus, e não receber o seu Reino como uma criança, de maneira nenhuma entrará nele. Após essas palavras Jesus tocou nelas e as abençoou.

Jesus usou duas maneiras de demonstrar amor citadas pelos autores CHAMPMAN, Gary, CAMPBELL, Ross. No livro As cinco linguagens do amor das crianças, São Paulo, Mundo Cristão, 1999 - o contato físico e as palavras de afirmação. O contato físico é uma necessidade de todo ser humano. Os bebês que são tocados por beijos abraços e cuidados de forma carinhosa são mais saudáveis do que os que passam horas sozinhos no berço. Quando maiores as crianças adoram ficar no colo dos pais, andar de mãos dadas. No período escolar brincam de empurrar, dar trombadas. Quando adultos cumprimentam-se com abraços, beijos e apertos de mão. Para entender bem a necessidade do ser humano por contato físico basta observar as comemorações dos gols no futebol e dos pontos no voleibol.

Além de tocar as crianças Jesus proferiu palavras de bênçãos a elas. Todas as pessoas trazem dentro de si a necessidade de serem apreciadas e reconhecidas pelo que são. Todos, crianças e adultos necessitamos de palavras de afeito, elogio, reconhecimento.

As crianças de nossas igrejas precisam ser acolhidas por todos os adultos. Precisam do toque carinhoso dos cumprimentos. Precisam de elogios saudáveis, de palavras de apreciação pelo que são e afirmação pelo esforço que fazem em se comportarem bem.

Que os atos voluntários ou não da nossa parte em impedir as crianças de conhecer Jesus, diminuam cada dia e que haja um esforço consciente de todos nós em acolher todas as crianças, apresentando-lhes JESUS.

Senhorinha

















segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Dicas para manter as camisetas por mais tempo

Por Amélia em 2,Out,2010
Em Vestuário
"Olá hoje gostaria de falar um pouco de camisetas, sugerindo dicas para elas ficarem bonitas por mais tempo, como lavar, passar, dobrar, acomodar na gaveta.
Se for colorida, o ideal é que as cores permaneçam vivas e sem manchas. Para a camiseta ficar colorida por mais tempo use um pouco de sal ou vinagre na lavagem e enxágüe, é muito simples, basta colocar a camiseta numa água com sabão em pó e vinagre na hora de lavar (fórmula: para cada 10 litros de água, colocar três colheres de sabão e três colheres vinagre branco).
Se for branca, tem que se manter branca, nada pior que camiseta branca amarelada.
Quando você deixa uma camiseta branca guardada por muito tempo, ela fica amarelada. Para recuperar a cor original, deixe de molho alguns minutos em um pouco de leite gelado. Depois, lave bem."

Leia mais em: http://br.mg3.mail.yahoo.com/dc/launch?.gx=1&.rand=d026avo26hp3a

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Os quatro pilares da educação


A comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI, coordenada por Jacques Delors, apresentou um Relatório para a UNESCO: Os quatro pilares da educação. O Relatório está publicado em forma de livro no Brasil, com o título Educação: Um Tesouro a Descobrir (UNESCO, MEC, Cortez Editora, São Paulo, 1999).

Marcos Tuler (Abordagens e Práticas da Pedagogia Cristã. Rio de Janeiro. 1ed. CPAD, 2006) faz uma síntese do argumento: " ... aqueles especialistas concluíram que, para agir eficazmente, o aluno do nosso tempo deve exibir certas competências imprescindíveis ao desenvolvimento do ser humano: aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a conviver e aprender a ser".



Na Escola Bíblica Dominical, com certeza, esses princípios são sumariamente obedecidos pelos professores que ensinam a Palavra De Deus:



Aprendendo a conhecer na EBD - Para tal, o professor deve combinar sua cultura geral para trabalhar em profundidade um pequeno número de matérias, ou seja, aprender a aprender para beneficiar-se das oportuni¬dades oferecidas pela educação ao longo de toda a vida. Deve o professor fazer uso das competências individuais de cada aluno da EBD para que eles se sintam participantes do processo de ensino-aprendizagem.



Aprendendo a fazer na EBD - Para tal, o professor deve ajudar seus alunos a trabalhar em equipe e envolvê¬-los em atividades práticas, em experiências sociais ou de trabalho voluntariado. Na igreja, principalmente, nos minis¬térios de cunho social (trabalhos comunitários etc.), há plena possibilidade de relacionar teoria e prática.



Aprendendo a conviver na EBD - O ensino na Escola Bíblica deve priorizar a comunhão, o respeito, a igualdade de direitos e deveres, criando um ambiente de interdependência. Cada aluno, que faz parte do corpo (no caso, a classe), deve estar envolvido e ser participativo. Hoje, cada vez mais, precisaremos aprender a gerir os conflitos provocados pelos valores pluralistas e pelo desejo de expressão individual de cada um.

Aprendendo a ser na EBD - Um olhar para os conteúdos bíblicos que estudamos vai dar conta dessa construção do ser à luz da imagem de Deus em Cristo, nosso exemplo maior. É evidente que as palavras-chave aqui são autonomia, discernimento e responsabilidade pessoal. Mas, em nosso caso específico, como discípu¬los de Jesus, nossa personalidade é resultante, também, do esforço do Espírito em nos santificar e edificar para a glória de Deus.

Conhecer - Fazer - Conviver - Ser são, à luz da Bíblia, diretrizes para a educação cristã no século 2I. Você está pronto para fazer a sua parte como facilitador da aprendizagem e, também, parte integrante dela? Que Deus o abençoe nesta importante tarefa.

A Deus toda a glória!



(Matéria extraída do jornal EBD Outubro 2010 Ano XXXII nº 131



terça-feira, 28 de setembro de 2010

II Fórum de Educação Religiosa em Belo Horizonte

Tema:
O Plano Diretor da Educação Religiosa, sua relevância e aplicabilidade

Objetivos:
a) Elucidar as diretrizes e os princípios pedagógicos e filosóficos que dão sustentabilidade à proposta do Plano Diretor da Educação Religiosa Batista;



b) Discutir os novos rumos da Educação Religiosa Batista e relevância na Igreja contemporânea



c) Analisar crítica e criativamente, numa perspectiva globalizante, a aplicabilidade do Plano Diretor de Educação Religiosa à realidade de Minas Gerais;

Público Alvo:
Educadores religiosos, pastores, líderes de organizações missionárias, seminaristas, diretores e professores da EBD



Promoção do evento:
Convenção Batista Mineira (Comitê do Crescimento Cristão) e Faculdade Batista de MG.



Meta:
80 participantes



Metodologia:
• Inscrição
• 8:30 Devocional
• 8:45 Lourenço

• 10:30 -10:45 Coffee break – SBM
10:45 – 11:15 – levantamento de questões pelos participantes
• 11:15 - 12:30 - Resposta do Lourenço às questões levantadas.



No período da tarde:
14:00 – 15:30 – Elaboração de propostas e estratégias de plantação na Conveção Batista Mineira

15:30 – 16:30 – Elaboração do documento

Local do evento Colégio Betista Mineiro
inscrições no local



segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Informações importantes

“No âmbito da União, há três cargos em disputa:

O presidente nomeia os ministros que vão cuidar de assuntos estratégicos, como a Educação, cuida da relação do Brasil com outros países, movimentando a economia e divulgando a imagem do país no exterior. Além disso, ele faz as leis aprovadas no Congresso se transformarem em benefícios para a população.

O senador fiscaliza o presidente, o vice e os ministros e ajuda a decidir sobre o Orçamento nacional e a utilização do dinheiro público. Ele elabora leis que trazem benefícios para os eleitores do seu Estado e toma decisões importantes sobre acordos internacionais.

O deputado federal fiscaliza o presidente, o vice e os ministros e ajuda a elaborar o Orçamento. Ele propõe leis de interesse federal que se transformam em benefícios para a população.

No âmbito estadual, há dois cargos em disputa:

O governador é chefe do Poder Executivo no Estado, comanda a segurança e nomeia secretários. Ele faz as leis aprovadas na Assembléia se transformarem em benefício para a população e administra os investimentos regionais, garantindo que os municípios cresçam por igual.

O deputado estadual fiscaliza o governador, o vice e os secretários e ajuda a elaborar o Orçamento estadual. Ele propõe leis de interesse estadual que se transformam em benefícios para a população.




(O projeto Excelências traz informações sobre todos os parlamentares em exercício. No site, você pode consultar o histórico profissional, os processos a que eles respondem na Justiça, as multas que receberam dos Tribunais de Contas, as declarações de bens, as freqüências ao trabalho e muito mais. Antes de decidir o seu voto, acesse e confira tudo sobre a vida deles)



(Deu no Jornal é um banco de dados atualizado diariamente com noticiário sobre corrupção publicado em 63 jornais e revistas. Você pode cruzar informações e verificar se o seu candidato anda metido em escândalos e maracutaias.)"



http://divulgacand2010.tse.jus.br/divulgacand2010/

A lenda do rito de passagem

O pai leva o filho para a floresta durante o final da tarde, venda-lhe os olhos e deixa-o sozinho. O filho se senta sozinho no topo de uma montanha toda a noite e não pode remover a venda até os raios do sol brilharem no dia seguinte. Ele não pode gritar por socorro para ninguém. Se ele passar a noite toda lá, será considerado um homem. Ele não pode contar a experiência aos outros meninos porque cada um deve tornar-se homem do seu próprio modo, enfrentando o medo do desconhecido.

O menino está naturalmente amedrontado. Ele pode ouvir toda espécie de barulho. Os animais selvagens podem, naturalmente, estar ao redor dele. Talvez alguns humanos possam feri-lo. Os insetos e cobras podem vir picá-lo.

Ele pode estar com frio, fome e sede. O vento sopra a grama e a terra sacode os tocos, mas ele se senta estoicamente, nunca removendo a venda. Segundo os Cherokees, este é o único modo dele se tornar um homem. Finalmente... Após a noite horrível, o sol aparece e a venda é removida. Ele então descobre seu pai sentado na montanha perto dele. Ele estava a noite inteira protegendo seu filho do perigo.

Nós também nunca estamos sozinhos!

Mesmo quando não percebemos, Deus está olhando para nós, 'sentado ao nosso lado'. Quando os problemas vêm, tudo que temos a fazer é confiar que ELE está nos protegendo.

E evite tirar a sua venda antes do amanhecer...

Apenas porque você não vê Deus, não significa que Ele nao esteja conosco.Nós precisamos caminhar pela nossa fé, não com a nossa visão material.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Manual- Sustentabilidade ambiental

"Este manual tem o objetivo de ajudar as organizações de desenvolvimento a considerarem o impacto do meio ambiente sobre o seu trabalho, bem como o impacto do seu trabalho sobre o meio ambiente.



Aborda como os projetos, as práticas organizacionais e o nosso estilo de vida podem se tornar mais ambientalmente sustentáveis. Ele inclui uma ferramenta simples que nos permite fazer um levantamento ambiental e que pode ser usada para garantir que a maioria dos projetos de desenvolvimento não causem danos ao meio ambiente ou sejam adversamente afetados por questões ambientais."

Querendo saber mais, o livro completo está no endereço abaixo:
http://tilz.tearfund.org/Portugues/ROOTS/Sustentabilidade+ambiental.htm