terça-feira, 3 de novembro de 2009

I FORUM DE EDUCAÇÃO CRISTÃ




Para saber mais acesse www.faculdadebatista.com.br
Assim que tiver acesso ao Documento produzido pelos participantes do Forum terei prazer em compartilhar com os leitores.

Texto da palestra do Pr.Wagno Alves Bragança que liderou o grupo que discutiu sobre o tema:A inter-relação da educação cristã com outros ministérios.


A INTER-RELAÇÃO DA EDUCAÇÃO CRISTÃ COM OUTROS MINISTÉRIOS


Introdução:

Considerando o tema proposto, verifica-se que parte do princípio de que existe uma relação. Relação é intercâmbio. É cumplicidade. Portanto, uma pergunta se torna inevitável. Quais? Para tanto, na busca desta resposta, busquemos compreender alguns elementos do tema. Compreender a matriz conceitual ajuda-nos a entender os rumos e sentidos de nossa reflexão.

Uma definição da Educação

A educação acompanha a evolução dos povos e o desenvolvimento de cada indivíduo. É através dela que a cultura recebe seus contornos e as subjetividades são constituídas através de múltiplas interações. Educar faz parte do processo de recriação da vida. A educação não envolve apenas um conjunto de informações, mas a própria maneira de conceber e viver a vida. Ela está presente na vida humana e, só por meio dela, nos constituímos humanos, visto não termos sobre nós nenhum determinismo como nos animais.

Educação= e+ducare (ducare significa “guiar, conduzir”, e o prefixo e, significa “para fora”). A etimologia da palavra indica a atividade básica de “conduzir para fora, tirar para fora, trazer à luz aquilo que já existe, de certa maneira, dentro da criança; é descobrir, desvelar, revelar as riquezas que o Criador já escondeu no coração de todo ser humano” (LIBÂNIO, 2002). De acordo com Libânio, a maiêutica se presta à mesma imagem (maieutiké techne: “ajudar a gerar” (LIBÂNIO, 2002), trazer à luz aquilo que está dentro. Neste sentido, o ato de educar é um ato de ajuda. No dizer de Giussani, “educar é comunicar a si mesmo”, isto é, educação é a comunicação “do próprio modo de se relacionar com o real” (GIUSSANI, 2004).
Para Freire, educação é “capacitar as pessoas a lidarem crítica e criativamente com a sua realidade social, e não simplesmente adaptá-las a ela.... um exercício de libertação.... uma conscientização (Paulo Freire). Nesta concepção, vê-se a matriz marxista de entendimento, mostrando que o ser educado é um ser consciente, critico e sintonizado com seu tempo.

No processo educativo é necessário reconhecer que “somos seres condicionados mas não determinados” (FREIRE, 1996). Isto significa não negar os condicionamentos genéticos, culturais, sociais a que estamos submetidos. A vida é um vir-a-ser. O ser humano está em construção. O ato educativo, enquanto processo de formação, deve ser compreendido como dinâmico onde educando e educador assumem mutua participação. O educando também assume-se como sujeito da produção do saber. A educação é, portanto, o reconhecimento da potencialidade do educando e, por conseguinte, trabalha na matriz da esperança, pois crer no ser humano.

Groome destaca três dimensões podem ser identificadas na atividade de “conduzir para fora”: primeiro, a partir de um dado ponto; segundo, um processo presente, e terceiro, um futuro em direção ao qual efetua o “guiar para fora”. Neste sentido, a educação tem uma dimensão “já”, uma de “ser concebida” e uma de “ainda não”. Ou seja, a primeira refere-se tanto “ao que o aprendiz já sabe como o que o educador sabe e, ainda, ao que o aprendiz tem capacidade interior de aprender”. A segunda enfatiza “não o que já está lá, mas aquilo que está sendo descoberto pelo aluno à medida que lhe chega de além das limitações presentes”. A terceira remete ao ponto para o qual se efetua o conduzir para fora, isto é, um horizonte além dos limites presentes do aluno. (GROOME, 1985).

Contudo, nosso tema fala da Educação pelo viés cristão. Resta-nos então, trabalhar a concepção da Educação Cristã.

Uma definição da Educação Cristã

Educação Cristã é um processo de educação e aprendizado sustentado pelo Espírito Santo e baseado nas Escrituras. Procura guiar indivíduos a todos os níveis de crescimento através de métodos do ensino em direção ao conhecimento e vivência do plano e propósito divinos mediante Cristo em todos os aspectos da vida. Também equipa as pessoas para o ministério efetivo com uma ênfase geral em Cristo como Mestre Educador por excelência e seus mandamentos de fazer e treinar discípulos. Para Groome, é “uma atividade política com peregrinos no tempo, que deliberadamente se ocupa, com as pessoas, do nosso presente, da herança passada que ele engloba, e da possibilidade de futuro que ele mantém para a pessoa total e para a comunidade....toda educação, pelo menos implicitamente, é uma procura do transcendente. (Thomas Groome).

Neste sentido, a Educação Cristã é o processo Cristocêntrico, baseado na Bíblia para comunicar a Palavra de Deus através do poder do Espírito Santo com o propósito de levar outros a Cristo e edificá-los em Cristo. A educação só se torna cristã porque está alicerçada em Cristo, sua Palavra e seus ensinos. Assim sendo, a Educação Cristã é o esforço divino-humano deliberado, sistemático e contínuo de comunicar ou apropriar-se do conhecimento, valores, atitudes, habilidades, sensibilidades e o comportamento que constituem ou são consistentes com a fé cristã. Apóia a transformação e a renovação de pessoas, grupos e estruturas pelo poder do Espírito Santo para conformar-se à vontade de Deus, tal como expressa do Velho e Novo Testamentos e preponderantemente na pessoa de Jesus Cristo.

Educação Cristã é um processo que ocorre tanto informalmente como através de uma série de eventos planejada, sistemática e contínua, objetivando levar o crente à conformar-se à imagem de Cristo (maturidade), tendo como base autoritativa as Escrituras Sagradas e sustentada pelo Espírito Santo, visando a glória de Deus. “O lema da educação cristã é: a teologia ao fundo, a graça e a fé em primeiro plano” (Randolph Miller)

Neste sentido, pode-se dizer que a educação cristã “é o propósito, feito geralmente pelos membros da comunidade, de participar das mudanças que têm lugar as pessoas em sua relação com Deus, com a igreja, com outros indivíduos e consigo mesmo” (SHERRILL,1955).

A educação cristã não pode ser dissociada da teologia. Por isso, o educador cristão precisa buscar aprimorar seus conhecimentos teológicos, desde a sua formação (teológica), bem como numa educação continuada. Desta forma, a Educação Cristã é aquela educação feita do ponto de vista do cristianismo. “Uma atividade política com peregrinos no tempo, que deliberada e intencionalmente assiste com eles à atividade de Deus em nosso presente, à história da comunidade de fé cristã e à Visão do Reino de Deus, cujas sementes já estão entre nós. Uma atividade crítica e libertadora que acompanha deliberada e intencionalmente a transformação de pessoas em todos os seus relacionamentos atuais, conforme a visão do reino de Deus e o modelo de Cristo e levando em conta a história da comunidade de fé cristã. (Thomas Groome).

Consideramos a educação enquanto um conceito geral e também na perspectiva cristã. Mas o tema aponta para outros ministérios. Ministério é serviço. Portanto, vejamos como o ministério cristão se apresenta:

Funções do Ministério Evangélico

A Bíblica apresenta a igreja como um corpo onde todos os membros possuem funções especifica. Nela encontramos as funções do Ministério Evangélico, que o tornam excelente em seus objetivos, desempenho e resultados, as seguintes:
• Função profética ou “querística”, ou ministério da pregação;
• Função pedagógico-didática, ou ministério do ensino e da educação;
• Função litúrgica, ou ministério da adoração;
• Função poimênica, ou ministério pastoral;
• Função episcopal ou “kibernética”, ou ministério de supervisão, administração e liderança;
• Função “paraclética” e “noutética”,ou ministério de consolação, admoestação e aconselhamento;
• Função “koinônica”, ou ministério da comunhão;
• Função “diakônica”, ou ministério de mobilizar para o serviço;
• Função apologética, ou ministério de defesa da fé e da sã doutrina;
• Função evangelizante, ou ministério da evangelização. (AZEREDO, Irland – Programa de Pragmática Pastoral na FTBSP)

Assim, cada função focaliza um aspecto do ministério evangélico. Desta forma, resta-nos compreender sua área de atuação.

O Campo da Educação Cristã

Na inter-relação com outros ministérios precisamos contemplar que o campo de atuação da educação cristã é abrangente, não podendo ser limitado a Escola Bíblica Dominical. Apesar de reconhecermos que, pela natureza e alcance de seu trabalho, a Escola Bíblica Dominical ocupa posição de primordial importância no plano geral da Educação Cristã, a tarefa educacional da igreja vai muito além dela, pois há várias atividades que são essencialmente educativas, e que extrapolam esta significativa instituição educacional de nossas igrejas, conforme apresenta-se a seguir. Todas as ações realizadas no âmbito da igreja faz parte do processo de ensino, neste sentido, a igreja ensina por meio de seu ministério querigmático, ou seja, por meio da pregação. Através do púlpito ensinamentos são transmitidos. A ação passiva e ativa dos fiéis no solene ouvir da mensagem de Deus é uma oportunidade para se desenvolver o ministério pedagógico.

A igreja ensina por meio de suas atividades cotidianas. Todas as demais atividades, programas e ações tais como encontros, reuniões diversas, confraternizações são meios pelos quais se transmite valores e princípios bíblicos. É preciso que a liderança seja consciente disso, e estabeleça um plano geral de Educação Cristã, para que esses ensinos estejam todos voltados para uma única direção, dentro da proposta pedagógica da igreja.

A igreja ensina na adoração. Neste tempo de grande ênfase no louvor e adoração, necessário se faz aperceber-se da importância pedagógica destes momentos. Os cânticos transmitem preciosas mensagens de uma maneira que alcança rapidamente o coração das pessoas, daí a grande responsabilidade e o cuidado da liderança para com o conteúdo do que cantamos.

A disciplina é outra forma da igreja ensinar. Ao aplicar a disciplina e a exigência de valores éticos cristãos, a igreja está mostrando o alto padrão moral da vida cristã. O cuidado com a disciplina ensina não somente àquele que a recebe como os demais membros da comunidade, cumprindo assim a sua função didática. Ressalta-se contudo, que a disciplina, além de seu caráter corretivo, tem também o caráter formativo.

O campo educacional da igreja é vasto conforme pontua Lawrence Richards: "Considerando a função da edificação e dos dons espirituais, temos de ver que a educação cristã, para promover adequadamente o crescimento progressivo da vida de Cristo nos crentes, tem de tratar do Corpo como um todo! Isolar o "ministério educacional da igreja" da vida geral da congregação é um erro fatal. A educação cristã tem de levar todos os membros do Corpo a servir uns aos outros" (Lawrence O. Richards, 1983). Desta forma, a educação cristã só se realiza se de fato interagir com outros ministérios e sendo o fiel da balança, estabelecendo o fio condutor da ação educacional da comunidade.

Temos que tornar nossas igrejas mais conhecedoras de Deus e da revelação sobrenatural em Jesus. Igrejas sadiamente orientadas terão inserção eficaz em sua comunidade possibilitando uma atuação eficiente do Evangelho no mundo.

Referências

www.monergismo.com. Educação/princípios-educação-gildasio

SERRILL, Lewis J.. The gerif of Power. New York: The MacMillian Co., 1995.

AZEREDO, Irland P.. Programa de Prádgmática pastoral na FTBSP.

RICHARS, Lawrence O.. Teologia da Educação Cristã. São Paulo: Vida Nova, 1983


Palestra proferida pelo professor Pr.Wagno Alves Bragança ao grupo de discussão sobre "a inter-relação da educação cristã com outros ministérios" por ocasião do I Forum de Educação Cristã realizado em 24 de outubro 2009 pela Faculdade Batista de Minas Gerais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário