quinta-feira, 22 de outubro de 2009

REPENSANDO O PAPEL DO MINISTRO DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA

Marcos C. Braga Cunha
Certamente nosso mundo está em estado de constante transformação. Consequentemente nossas vidas, nossas igrejas e nossa denominação lutam com as circunstâncias envolvidas quando as mudanças nos levam de um estado confortável para novos desafios . Como um educador religioso que tem servido a igreja por mais de dez anos, vejo que o papel do ministro de educação cristã também está sendo modificado dentro da igreja local. Ainda assim, continuo a entender que a função de ensinar a imutável verdade da palavra de Deus a um mundo em constante mudança, não deixou de ser a prioridade do meu ministério.

A VISÃO TRADICIONAL DO MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO CRISTÃ
A vocação e consagração de um ministro de educação cristã é uma prática relativamente recente em nossas igrejas. Inicialmente este ministério tinha a função de envolver-se com o desenvolvimento do currículo e as atividades de EBD e das organizações etárias da igreja, muitas vezes, especificamente das crianças. As oportunidades e necessidades dessas tarefas são evidentes, mas ultimamente temos dado tanta atenção ao crescimento numérico e à manutenção de práticas tradicionais que as bases e fundamentos de desenvolvimento de nossa fé tem sido ignoradas.
O próximo século necessitará de ministros de educação cristã que venham a ser líderes espirituais, agentes de transformação, treinadores de talentos e não apenas distribuidores de revistas que tentam de todo modo manter a situação como está para não causar muitos conflitos. As mudanças certamente criam tensões mas devemos lembrar que estamos edificando o corpo de Cristo para o futuro.

O MINISTRO DE EDUCAÇÃO CRISTÃ COMO LÍDER DO FUTURO
Quanto mais eu converso com meus alunos e colegas, mais certeza tenho de que nós precisamos e buscamos direção espiritual correta para nossas vidas, neste mundo em constante turbulência ideológica. Quero aqui fazer duas afirmações: a primeira é que o Ministro de Educação Cristã tem um papel fundamental de liderança espiritual, a segunda é que muitos líderes leigos em nossas igrejas também podem assumir essa função vital. O que é um lider espiritual? É alguém que não somente possui dons de aconselhamento e misericórdia, mas alguém que pode discernir onde e como Deus está trabalhando nesse mundo. Não nos basta trabalhar em comissões e departamentos e executar atividades para manter o programa institucional, que em nada colaboram para descobrir e atuar juntamente com Deus em seu trabalho de salvação deste mundo. O papel de líder espiritual está focado em dar atenção a relacionamentos que levam pessoas de um passado de tradições e experiências constrangedoras, para uma nova vida de glória a Deus. Líderes espirituais ajudam a guiar pessoas a um profundo relacionamento com o Senhor de modo a abençoarem uns aos outros com suas ações e trabalho. Ministros de educação podem trabalhar para reconhecer, afirmar e chamar pessoas que também podem ajudar a alcançar a missão da igreja. Eles podem dar atenção ao suporte e encorajamento a estas pessoas. Isso leva o ministro de educação ao papel de agente de transformação.

O MINISTRO DE EDUCAÇÃO CRISTÃ COMO AGENTE DE TRANSFORMAÇÃO
O agente de transformação é aquele que atua para fazer outras coisas acontecerem. Quando a liderança espiritual acontece e os dons são exibidos, Deus gera energia em seu corpo. O processo de descoberta e evidência de dons espirituais na igreja é basicamente o papel do ministro de educação cristã como agente de transformação.
Em vez de apenas trabalhar para manter e estruturar a instituição da igreja, precisamos de ministros de educação cristã que comecem a ser catalisadores de serviço, para que a igreja possa atuar neste mundo carente durante toda a semana, de segunda a domingo. Nossa energia precisa deixar de ser gasta na manutenção da máquina eclesiástica e ser colocada em ação na ajuda para que nosso povo faça diferença neste mundo. Como agente de transformação, o ministro de educação cristã vai naturalmente provocar crescimento pessoal e espiritual, através do ministério leigo da igreja local, baseado e dirigido pelos dons espirituais.

O MINISTRO DE EDUCAÇÃO CRISTÃ COMO TREINADOR DE TALENTOS
Treinar e equipar os santos envolve não tanto o que dizemos, mas o que fazemos. Isto é, que tipo de modelo nós projetamos? O que nós ensinamos pelo que somos? Pelo que exatamente somos conhecidos? O ministro de educação cristã precisa equilibrar seus esforços entre treinar para as atividades da igreja e equipar os membros para realizarem seu ministério aonde eles puderem ir e ser igreja no mundo. Treinador é aquele que desperta os dons espirituais dos outros, desafiando-os a não apenas vir à igreja mas ir e ser igreja no mundo. Equipar requer sensibilidade e criatividade no momento de ensinar ao povo como e onde podem ver Deus trabalhando e efetivamente responder a Ele.
Pense nisso: muitos de nossos encontros de treinamento, reuniões de comissões, e do nosso currículo de ensino são basicamente desenhados para perpetuar ou manter nossa máquina eclesiástica funcionando e/ou ensinar como fazer as coisas corretamente. Deus quer que sejamos não apenas pessoas boas, mas pessoas de Deus. O ministro de educação precisa redirecionar o foco de seu ministério para a expansão do conhecimento de Jesus Cristo como Senhor e Salvador pelo mundo, através do serviço daqueles a quem Deus quer que ele treine e equipe.

O MINISTRO DE EDUCAÇÃO CRISTÃ COMO EDUCADOR
Alguns ministros de educação cristã não são reconhecidos pela sua comunidade como educadores eficientes. Talvez por causa da própria igreja ou da equipe com que trabalham, perderam a visão de que o ministério é mais do que ser um agente de administração educacional para o crescimento numérico. Deus ainda precisa de bons educadores em sua igreja. Muitos membros de nossas igrejas sabem muito pouco da Bíblia e de como estudá-la pessoalmente e aplicá-la em suas vidas. Não há aprendizado real da Bíblia até que nossas ações, atitudes e estilo de vida sejam mudados como resultado de nosso estudo.
Sim nós precisamos de bons educadores como ministros de educação cristã. Um educador pode funcionar como o professor principal da congregação, pelo qual Deus pode desafiar seu povo através das Escrituras, do aprendizado prático e do envolvimento no ministério.

O QUE O MINISTRO DE EDUCAÇÃO CRISTÃ DEVE FAZER?
Um ministro de educação cristã deve preparar a igreja para penetrar no mundo pela causa de Cristo, fazendo três coisas: compreendendo sua comunidade, adaptando a estrutura educacional da igreja e crescendo na sua maturidade espiritual. O ministro de educação cristã precisa entender a comunidade na qual ele serve. É necessário que ele compreenda como a Palavra de Deus fala às necessidades particulares dessa comunidade. A Bíblia é relevante e fala para nós hoje, mas precisamos conhecer não só as ferramentas de interpretação bíblica, mas também o mundo em que vivemos.
Tradicionalmente o ministro de educação cristã buscava adaptar o povo de sua igreja a uma estrutura educacional sugerida por alguma outra agência educativa. Isto pode ter sido válido até algum tempo atrás mas, para muitas igrejas, não ajuda mais o crescimento espiritual e numérico. Não quero dizer que a estrutura é ruim, pelo contrário, mas apesar do risco, o ministro de educação precisa da liberdade de expandir a tradição e as estruturas impostas.
Eu creio que nós como educadores religiosos, temos que ouvir nosso povo hoje, discernir Deus movendo-se em e através do nosso povo hoje, e buscar desenvolver estruturas e programas para este momento e não para o passado. Só podemos atender o presente!
Crescimento espiritual pessoal deve ser tão importante para o ministro de educação cristã quanto o conhecimento sobre o seu ministério. Nós não podemos dar aquilo que não possuímos e não podemos efetivamente levar pessoas a um nível de maturidade que nós ainda não alcançamos.
A tarefa do ministro de educação cristã não é apenas fazer parte do corpo de ministros da igreja mas ajudar pessoas em seu crescimento espiritual. Edificar a maturidade espiritual de pessoas é mais importante que focar os esforços exclusivamente no crescimento numérico do rol de membros. Quando a fé é adequadamente desenvolvida, a igreja cresce e o evangelismo acontece naturalmente.
Estou tentando demonstrar que o ministro de educação cristã tem a tarefa de buscar desenvolver um programa adequado que promova o crescimento da fé e maturidade autênticas em sua comunidade, e então a igreja como corpo de Cristo será forte o bastante para penetrar no mundo com o evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo, em vez de apenas manter uma instituição.

Marcos C. Braga Cunha é Ministro de Educação Cristã na Igreja Batista Memorial de São Paulo. Mestrando em Educação Religiosa na Faculdade Teológica Batista de São Paulo onde é professor nas áreas de Educação Religiosa e Bíblia. Email correiomec@uol.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário